• banner_carla_cristina_trabalho
  • bannerarturrozestra
  • banner_resistencias_sagradas1
  • banner_andre_costa
Home
Agricultura urbana como ativismo

 

agricultura_urbana_como_ativismo

Agricultura urbana como ativismo na Cidade de São Paulo
Gustavo Nagib
Formato 16x23cm, 226 páginas
ISBN 978-85-391-910-4

 

Compre aqui

 

A agricultura e a cidade são irmãs gêmeas

por Claudia Visoni


A agricultura e a cidade são irmãs gêmeas, tão interdependentes que chegam a ser xifópagas. Ambas surgiram exatamente no mesmo momento histórico, já que foi o cultivo de alimentos que permitiu à humanidade fixar-se no território. Não existe cidade se não houver agricultura. E se não existissem os assentamentos humanos, a caça e a coleta seriam as maneiras mais adequadas de obter alimentos. Mesmo a manifestação rural e produtora de commodities da agricultura era bastante mais limitada até o surgimento de ferrovias, estradas, navegação motorizada e outras formas de transporte rápido. Ou seja, até o tempo das nossas bisavós, boa parte da comida precisava estar plantada bem perto da moradia.


O processo histórico revela que o cultivo de alimentos nas cidades nunca foi extinto, embora na segunda metade do século XX tenha caído na obscuridade. O desenvolvimento da agroindústria, da indústria alimentícia, das grandes redes de supermercados e a popularização dos refrigeradores acabaram desmerecendo as hortinhas de quintal, que antes todos tinham. E a maioria dos habitantes urbanos das classes médias e altas em poucas décadas se esqueceram completamente do hábito de semear e colher a própria comida sem sair de casa.


Estou contando esta história para explicar o espanto de alguns moradores da Vila Madalena e da Vila Beatriz, em São Paulo, quando um pequeno grupo de ativistas, do qual faço parte, resolveu plantar uma horta comunitária na Praça das Corujas. Um belo dia, eu estava lá com a enxada na mão, quando uma frequentadora, muito irritada, gritou: “Vocês são loucos! Cidade não é lugar de horta!”. (Risos).


Mais ou menos nessa época, conheci o Gustavo Nagib, que se propôs a pesquisar a agricultura urbana ativista e nossa querida Horta das Corujas, inaugurada em 2012. O resultado é esse belo trabalho, primeiro nascido em forma de dissertação de mestrado na Universidade de São Paulo, agora transformado em saboroso e nutritivo livro.

 
^ Top ^