• banner_gustavo_bernardo_metamorfose
  • banner_marcia_abujamra_2
  • banner_uma_ideia_de_arquitetura
  • banner_andre_costa
Home
Situando Jane Jacobs

 

situando_jane_jacobs

Situando Jane Jacobs
Renato Cymbalista - organizador
Formato 16x23cm, 320 páginas,
ISBN 978-85-391-0913-5

 

Leia matéria no Jornal da Usp

 

Compre aqui


Livro modificou as regras do jogo das cidades em todo o mundo
Por Renato Cymbalista

Se tivéssemos que eleger um único livro que representasse a historia recente do urbanismo no Ocidente, possivelmente a escolha recairia sobre Morte e Vida de Grandes Cidades, publicado em 1961.

O livro modificou as regras do jogo das cidades em todo o mundo. Jane Jacobs não foi a única nem a primeira voz crítica ao urbanismo modernista arrasa-quarteirão que prevaleceu nas décadas de 1940 e 1950, mas o seu livro atingiu em cheio a opinião pública e apoiou a construção de um senso comum crítico dos grandes projetos de renovação urbana e valorizador dos tecidos urbanos historicamente constituídos.

A leitura de Morte e Vida... nos permite, na verdade, problematizar a totalidade do urbanismo do século XX. A obra faz isso na chave retrospectiva – pelas radicais críticas que a autora faz simultaneamente ao modelo modernista corbusiano baseado em “torres no parque”, a cidade jardim descentralizadora de Ebenezer Howard e as propostas de planejamento regional de Lewis Mumford; e também na chave prospectiva, pois é um dos marcos de origem da sensibilidade atual que valoriza os tecidos históricos, a sociabilidade das ruas e calçadas, os bairros de usos mistos, que combate a hegemonia dos automóveis.

 

A primeira parte do livro traz os diversos aspectos de sua trajetória para além do livro. Os textos seguem de uma forma geral o curso de vida de Jane Jacobs e seu contexto, e constroem-se a partir de problemáticas especificas de interesse de seus autores. Não constituem capítulos de uma biografia, e por essa razão não são estritamente cronológicos.


A segunda parte do livro trata da recepção e circulação de ideias de Jane Jacobs no Brasil, assunto que ainda não foi devidamente percorrido pela literatura. O capítulo 9 traz a progressiva chegada da autora à imprensa, à academia e às bibliotecas universitárias. O capítulo 10 é um ensaio que mostra a proximidade entre as ideias de Jane e alguns dos dispositivos de planejamento existentes no mais recente plano diretor de São Paulo. O capítulo 11 traz um conjunto de entrevista com urbanistas, professores e o editor de Morte e Vida... no Brasil.


A terceira parte do livro traz o exercício acima citado, que originou todo o trabalho, de sistematização de Morte e Vida..., tantas vezes citado mas nem sempre lido na integra. Os capítulos deste livro têm o mérito de irem além da superfície, trazem as ideias e a trajetória de uma pensadora sobre cidades que vai muito além de Morte e Vida de Grandes Cidades. O material ajuda a compreenderJane Jacobs como fruto de seu próprio tempo, cujas ideias foram se desenvolvendo no decorrer das décadas, capaz de produzir sínteses geniais e também de cometer algumas injusticas. Sobretudo uma mulher inquieta com a realidade que se apresentava nas grandes cidades americanas do pós-guerra, e determinada a interferir no debate público sobre seu futuro.

 

 
^ Top ^