Annablume Editora
BOX_HEADING_LOGIN_BOX
Seja Bem Vindo(a)!

Faça seu login
Cadastre-se

 
 
 
HomeSite
Busca Rápida
Suas Compras   Meu Carrinho 0 Iten(s):
Fabricantes
Fabricantes
Categorias
Categorias
        -Arquitetura, Urbanismo e Políticas Urbanas
        -Biblioteca Flusseriana
        -Corpo, Sexualidades e Políticas da Multidão
        -Cultura Tecnológica e Redes Digitais
        -Geografia e Temas Socioambientais
        -Sociologia
        -Todas as Coleções
        -Todos os Temas
        Artes
        Outros Temas
        Revistas
Promoção
Especiais mais
Religião, diálogo e múltiplas pertenças
Religião, diálogo e múltiplas pertenças
De: R$ 40,00
  Por: R$ 32,00
Economia de R$ 8,00
Veja mais promoções
Novidades
Novidades mais
Urbanismo e política no Brasil dos anos 1960
Urbanismo e política no Brasil dos anos 1960
R$ 80,00
R$ 64,00
Veja mais novidades
A ilusão urbanística: o papel do Estado na expropriação dos Caiç
A ilusão urbanística: o papel do Estado na expropriação dos Caiç
Código do Produto: 16x23cm
De: R$ 61,30
Por: R$ 61,30
Economia de R$ 0,00
 
Acessar a Cia. dos Livros

 A ilusão urbanística: o papel do Estado na expropriação dos Caiçaras
Alan Faber do Nascimento
Formato: 16x23cm, 150 páginas
ISBN: 978-85-391-0764-3
Numa análise crítica, este livro vai além das investigações que avaliam o planejamento do espaço urbano apenas sob o aspecto dos seus limites, para tentar apreender uma ilusão colocada em nome de uma pretensa objetividade. Tomando como referência o arquipélago oceânico de Ilhabela, no litoral norte paulista, Alan Faber problematiza duas questões que já há muito poderiam ter sido resolvidas pelo Estado por meio do ordenamento territorial. Trata-se, de um lado, da proteção de um dos últimos remanescentes de Mata Atlântica de São Paulo, bem como dos ecossistemas a ela associados e de sua biodiversidade; e, de outro, a preservação do modo de vida tradicional das populações caiçaras, em desequilibrado contato com a sociedade ocidental globalizada. No decorrer da pesquisa, o autor observa como tais questões são ilusórias. O ordenamento territorial visando à preservação da natureza nada mais é que do que um álibi para a reprodução de um mercado imobiliário de alta renda, baseado na expropriação do território caiçara, ao passo que as medidas de proteção às chamadas comunidades tradicionais, além de imobilizar as populações caiçaras num passado idealizado, criam padrões urbanísticos e arquitetônicos cada vez mais restritivos e, consequentemente, mais exclusivos, bem ao gosto de um consumo turístico elitizado.
 
Newsletter
Ofertas e promoções exclusivas por e-mail