Annablume Editora
BOX_HEADING_LOGIN_BOX
Seja Bem Vindo(a)!

Faça seu login
Cadastre-se

 
 
 
HomeSite
Busca Rápida
Suas Compras   Meu Carrinho 0 Iten(s):
Fabricantes
Fabricantes
Categorias
Categorias
        -Arquitetura, Urbanismo e Políticas Urbanas
        -Biblioteca Flusseriana
        -Corpo, Sexualidades e Políticas da Multidão
        -Cultura Tecnológica e Redes Digitais
          - Atopos
        -Geografia e Temas Socioambientais
        -Sociologia
        -Todas as Coleções
        -Todos os Temas
        Artes
        Outros Temas
        Revistas
Promoção
Especiais mais
Produzir casas ou construir cidades? Desafios para um novo Brasi
Produzir casas ou construir cidades? Desafios para um novo Brasi
De: R$ 88,00
  Por: R$ 88,00
Economia de R$ 0,00
Veja mais promoções
Novidades
Novidades mais
Forró no asfalto: mercado e identidade sociocultural – 2ª edição
Forró no asfalto: mercado e identidade sociocultural – 2ª edição
R$ 50,00
R$ 50,00
Veja mais novidades
Ciborgues indígen@s.br: a presença nativa no ciberespaço
Ciborgues indígen@s.br: a presença nativa no ciberespaço
Código do Produto: 14x21 cm
De: R$ 57,00
Por: R$ 57,00
Economia de R$ 0,00
 
Acessar Um LivroAcessar O Ateneum

Ciborgues indígen@s.br: a presença nativa no ciberespaço
Eliete da Silva Pereira
Formato: 14x21 cm, 290 páginas

De toda essa embrulhada o pensamento dele sacou bem clarinha uma luz: Os homens é que eram máquinas e as máquinas é que eram homens. Macunaíma deu uma grande gargalhada.
(Mário de Andrade. Macunaíma. Rio de Janeiro: MEDIAfashion, 2008, p. 44)

Em 1928, Mário de Andrade antecipou na ficção o que se tornou uma realidade concreta no final do século XX, a fusão entre homens e máquinas, a indistinção de ambos. É notável que não sejam mais heróis indígenas imaginários a rirem dessa realidade contemporânea, mas índios reais que se fundem às máquinas para ocupar o
ciberespaço da Internet e aí criarem novas formas de expressão cultural e política.

O registro desta presença indígena no ciberespaço é o que nos apresenta esta obra. Aqui a figura do "ciborgue" expressa para os povos indígenas uma nova condição nativa atravessada por softwares e hardwares, sistemas informativos e fluxos comunicativos. Elementos constituintes de um protagonismo indígena adquirido nas tramas hipertextuais do ciberespaço e que permitem a retomada dos meios de produção de suas próprias etnicidades e subjetividades face aos não-índios.

Este livro interessará a um público amplo e diversificado, precisamente aquele que reconhece nos meios de comunicação digitais um meio para expressar novas formas de expressão cultural e participação política. Torna-se imperativa a compreensão desses fenômenos e os significados que eles aportam para o mundo contemporâneo, não somente pela escala global de comunicação que eles tornam possível, mas pela transformação multilocal das identidades que eles põem em contato, engendrando novos seres reais e hiperreais.
Cristhian Teófilo da Silva
 
Também compraram este produto
Clientes que compraram este produto, também compraram:
     A comunicação das coisas: teoria ator-rede e cibercultura   A comunicação das coisas: teoria ator-rede e cibercultura
     A pele da cultura   A pele da cultura
     Do autor tradicional ao agenciador cibernético   Do autor tradicional ao agenciador cibernético
     Tecno-pedagogia: os games na formação dos nativos digitais   Tecno-pedagogia: os games na formação dos nativos digitais
Newsletter
Ofertas e promoções exclusivas por e-mail