Annablume Editora
BOX_HEADING_LOGIN_BOX
Seja Bem Vindo(a)!

Faça seu login
Cadastre-se

 
 
 
HomeSite
Busca Rápida
Suas Compras   Meu Carrinho 0 Iten(s):
Fabricantes
Fabricantes
Categorias
Categorias
        -Arquitetura, Urbanismo e Políticas Urbanas
        -Biblioteca Flusseriana
        -Corpo, Sexualidades e Políticas da Multidão
        -Cultura Tecnológica e Redes Digitais
        -Geografia e Temas Socioambientais
        -Sociologia
          - -Annablume Literária
          - Crítica Contemporânea
          - Trabalho e Contemporaneidade
        -Todas as Coleções
        -Todos os Temas
        Artes
        Outros Temas
        Revistas
Promoção
Especiais mais
Planejamento urbano e regional no Brasil: as ideias, planos e co
Planejamento urbano e regional no Brasil: as ideias, planos e co
De: R$ 60,00
  Por: R$ 60,00
Economia de R$ 0,00
Veja mais promoções
Novidades
Novidades mais
Religião, diálogo e múltiplas pertenças
Religião, diálogo e múltiplas pertenças
R$ 40,00
R$ 40,00
Veja mais novidades
Corrupção e reforma orçamentária no Brasil (1987-2008)
Corrupção e reforma orçamentária no Brasil (1987-2008)
Código do Produto: 14x21
De: R$ 65,00
Por: R$ 65,00
Economia de R$ 0,00
 
Acessar a Cia. dos Livros

Corrupção e reforma orçamentária no Brasil (1987-2008)
Sérgio Praça
Formato 14x21 cm, 288 páginas
ISBN 978-85-391-0553-3

Este livro explica como, desde o escândalo dos “anões do orçamento”, descoberto em 1993, as regras orçamentárias no Brasil melhoraram. A Comissão Parlamentar de Inquérito que investigou o caso teve um impacto significativo, historicamente singular, para melhorar as normas legislativas que regulamentam o orçamento brasileiro. O mesmo ocorreu com a CPI das Ambulâncias, de 2006, que investigou os parlamentares “sanguessugas” que drenavam dinheiro carimbado para a saúde.
Três pilares sustentam o orçamento no Brasil. O primeiro é a dimensão autorizativa do orçamento, que permite grande autonomia ao presidente na hora de definir quando vai fazer os gastos X e Y. O segundo é a centralização do processo na Comissão Mista de Orçamento, cujo relator-geral perdeu poderes após a CPI dos “anões do orçamento”, mas continua uma figura central na definição do orçamento brasileiro. Finalmente, o terceiro pilar é a (relativa) liberdade para os parlamentares colocarem emendas individuais e a (enorme) liberdade para os mesmos inserirem emendas coletivas no orçamento. Esses três pilares, em constante conflito e sempre na iminência de mudar, são destrinchados neste estudo.


 
Newsletter
Ofertas e promoções exclusivas por e-mail