Annablume Editora
BOX_HEADING_LOGIN_BOX
Seja Bem Vindo(a)!

Faça seu login
Cadastre-se

 
 
 
HomeSite
Busca Rápida
Suas Compras   Meu Carrinho 1 Iten(s):
Fabricantes
Fabricantes
Categorias
Categorias
        -Arquitetura, Urbanismo e Políticas Urbanas
        -Biblioteca Flusseriana
        -Corpo, Sexualidades e Políticas da Multidão
        -Cultura Tecnológica e Redes Digitais
        -Geografia e Temas Socioambientais
        -Sociologia
          - -Annablume Literária
          - Crítica Contemporânea
          - Trabalho e Contemporaneidade
        -Todas as Coleções
        -Todos os Temas
        Artes
        Outros Temas
        Revistas
Promoção
Especiais mais
Produzir casas ou construir cidades? Desafios para um novo Brasi
Produzir casas ou construir cidades? Desafios para um novo Brasi
De: R$ 88,00
  Por: R$ 88,00
Economia de R$ 0,00
Veja mais promoções
Novidades
Novidades mais
Corpos em obras: um olhar sobre as práticas da cidade
Corpos em obras: um olhar sobre as práticas da cidade
R$ 65,00
R$ 65,00
Veja mais novidades
Corrupção e reforma orçamentária no Brasil (1987-2008)
Corrupção e reforma orçamentária no Brasil (1987-2008)
Código do Produto: 14x21
De: R$ 55,00
Por: R$ 55,00
Economia de R$ 0,00
 
Acessar Um LivroAcessar O Ateneum

Corrupção e reforma orçamentária no Brasil (1987-2008)
Sérgio Praça
Formato 14x21 cm, 288 páginas
ISBN 978-85-391-0553-3

Este livro explica como, desde o escândalo dos “anões do orçamento”, descoberto em 1993, as regras orçamentárias no Brasil melhoraram. A Comissão Parlamentar de Inquérito que investigou o caso teve um impacto significativo, historicamente singular, para melhorar as normas legislativas que regulamentam o orçamento brasileiro. O mesmo ocorreu com a CPI das Ambulâncias, de 2006, que investigou os parlamentares “sanguessugas” que drenavam dinheiro carimbado para a saúde.
Três pilares sustentam o orçamento no Brasil. O primeiro é a dimensão autorizativa do orçamento, que permite grande autonomia ao presidente na hora de definir quando vai fazer os gastos X e Y. O segundo é a centralização do processo na Comissão Mista de Orçamento, cujo relator-geral perdeu poderes após a CPI dos “anões do orçamento”, mas continua uma figura central na definição do orçamento brasileiro. Finalmente, o terceiro pilar é a (relativa) liberdade para os parlamentares colocarem emendas individuais e a (enorme) liberdade para os mesmos inserirem emendas coletivas no orçamento. Esses três pilares, em constante conflito e sempre na iminência de mudar, são destrinchados neste estudo.


 
 
Últimos Produtos Visitados
Lastros de viagem
Lastros de viagem
Newsletter
Ofertas e promoções exclusivas por e-mail