Annablume Editora
BOX_HEADING_LOGIN_BOX
Seja Bem Vindo(a)!

Faça seu login
Cadastre-se

 
 
 
HomeSite
Busca Rápida
Suas Compras   Meu Carrinho 0 Iten(s):
Fabricantes
Fabricantes
Categorias
Categorias
        -Arquitetura, Urbanismo e Políticas Urbanas
        -Biblioteca Flusseriana
        -Corpo, Sexualidades e Políticas da Multidão
        -Cultura Tecnológica e Redes Digitais
        -Geografia e Temas Socioambientais
        -Sociologia
          - -Annablume Literária
          - Crítica Contemporânea
          - Trabalho e Contemporaneidade
        -Todas as Coleções
        -Todos os Temas
        Artes
        Outros Temas
        Revistas
Promoção
Especiais mais
TRABALHO E AÇÃO COLETIVA NO BRASIL
TRABALHO E AÇÃO COLETIVA NO BRASIL
De: R$ 80,00
  Por: R$ 64,00
Economia de R$ 16,00
Veja mais promoções
Novidades
Novidades mais
Estudos e ações transdisciplinares em Mudança Social e Participa
Estudos e ações transdisciplinares em Mudança Social e Participa
R$ 60,00
R$ 48,00
Veja mais novidades
Sóbrios, firmes e convictos
Sóbrios, firmes e convictos
Código do Produto: 14x21 cm
De: R$ 62,00
Por: R$ 46,50
Economia de R$ 15,50
 
Acessar a Cia. dos Livros

Sóbrios, firmes e convictos: uma etnocartografia dos straightedges em São Paulo
João Batista de Menezes Bittencourt  
Formato: 14x21 cm, 292 páginas
ISBN: 978-85-391-0689-9

Olivro que o leitor tem em mãos é uma verdadeira imersão
no universo do grupo straightedges de São Paulo. Trata-se de
uma etnocartografia das práticas adotadas e difundidas por
esses jovens que ganharam destaque no cenário musical punk/hardcore
brasileiro por adotarem um estilo de vida pautado na abstinência de
drogas, lícitas e ilícitas, como também por defenderem uma dieta
vegetariana.
É curioso como esse grupo visto com certo pré-conceito pela sociedade
e por outros grupos de jovens – já que uma evidente rebeldia convive
com elementos arcaicos e conservadores que, aliás, é típico das chamadas
tribos pós modernas como tão bem apontou Maffesoli – ganha
na percepção de João Bittencourt, um colorido diverso. Para tanto a
união de duas tradições metodológicas – a etnografia e a cartografia
– permitiu ao pesquisador uma nova perspectiva, pois se a etnografia
abre a possibilidade de aproximação do grupo estudado para obter uma
melhor compreensão de suas práticas, a cartografia ajuda o pesquisador
a compreender os movimentos do desejo, a apontar linhas de força, as
intensidades e os afetos que compõem as distintas formações subjetivas.
São essas linhas de força (molar, molecular e de fuga) que engendram
cartografias menos ou mais territorializadas – tanto do grupo estudado,
os straitghtedges, como a do próprio pesquisador. Com a utilização desse
método, foi possível obter uma leitura diferenciada do estilo de vida
straitghtedge e das práticas que o compõem, percebendo esse fenômeno
como resultado do embate entre fluxo e representação. Essa junção metodológica
permitiu ainda, ao autor, apreender as mudanças no plano
molecular provenientes dos processos de subjetivação e dessubjetivação.
Vale dizer, não lhe escapou aquilo que está em constante movimento,
o que escapa às representações, o que não se fixa com facilidade.
Amnéris Ângela Maroni
 
Newsletter
Ofertas e promoções exclusivas por e-mail