Annablume Editora
BOX_HEADING_LOGIN_BOX
Seja Bem Vindo(a)!

Faça seu login
Cadastre-se

 
 
 
HomeSite
Busca Rápida
Suas Compras   Meu Carrinho 10 Iten(s):
Fabricantes
Fabricantes
Categorias
Categorias
        -Arquitetura, Urbanismo e Políticas Urbanas
        -Biblioteca Flusseriana
        -Corpo, Sexualidades e Políticas da Multidão
        -Cultura Tecnológica e Redes Digitais
        -Geografia e Temas Socioambientais
        -Sociologia
        -Todas as Coleções
        -Todos os Temas
        Artes
        Outros Temas
        Revistas
Promoção
Especiais mais
Configurações do desenvolvimento, trabalho e ação coletiva
Configurações do desenvolvimento, trabalho e ação coletiva
De: R$ 90,00
  Por: R$ 90,00
Economia de R$ 0,00
Veja mais promoções
Novidades
Novidades mais
Instituições de urbanismo no Brasil, 1930-1979
Instituições de urbanismo no Brasil, 1930-1979
R$ 70,00
R$ 70,00
Veja mais novidades
E Canudos era a Vendéia
E Canudos era a Vendéia
Código do Produto: 16X23
De: R$ 83,00
Por: R$ 83,00
Economia de R$ 0,00
 

E Canudos era a Vendéia - O imaginário da Revolução Francesa na construção da narrativa da Os Sertões"
Raimundo Nonato Pereira Moreira
Formato 16X23cm, 392 páginas
ISBN 978-85-391-0029-3

E Canudos era a Vendéia... discute os influxos do imaginário da Revolução Francesa no processo de construção da narrativa de Os Sertões. Este livro apresenta cinco momentos principais. Inicialmente, abordam-se aspectos considerados relevantes acerca da vida e da obra de Euclides da Cunha. Em seguida, analisa-se a presença da Revolução Francesa na obra euclidiana, argumentando-se que esse processo se constituiu no conjunto de acontecimentos históricos mais relevante no quadro das referências teóricas do escritor. No terceiro seguimento, discute-se a construção da narrativa euclidiana da Guerra de Canudos, mediante uma hipótese que postula a existência de três momentos desse processo, ou seja: antes do contato de Euclides com o conflito; durante a presença do correspondente na Bahia; e após o desfecho do conflito, materializado nas páginas do livro vingador. No último capítulo, problematiza-se a ontologia discursiva de Os Sertões, recorrendo-se às categorias de historicidade, ficcionalidade e literariedade, presentes na composição da narrativa euclidiana, destacando-se, ainda, as contribuições do romance Quatrevingt-treize, deVictor Hugo, para o consórcio da ciência e da arte intentado por Euclides. Finalmente, reitera-se que a análise da construção da obra evidenciou um processo complexo, no qual o escritor caboclo se valeu tanto de relatos históricos quanto de narrações imaginárias, para comunicar aos futuros historiadores o seu juízo sobre a Guerra de Canudos.

 
 
Últimos Produtos Visitados
Philip Gunn: arquitetura, urbanismo e território
Philip Gunn: arquitetura, urbanismo e território
CEM TERRAS
CEM TERRAS
Do altar às passarelas: da anorexia santa à anorexia nervosa
Do altar às passarelas: da anorexia santa à anorexia nervosa
O corpo como grande razão
O corpo como grande razão
Das fronteiras do Conjunto ao conjunto das Fronteiras
Das fronteiras do Conjunto ao conjunto das Fronteiras
A mulher lagarto e outras histórias
A mulher lagarto e outras histórias
Lugar Nenhum ou Bora Bora? Rock brasileiro anos 80
Lugar Nenhum ou Bora Bora? Rock brasileiro anos 80
Arquitetura e paisagem: projeto participativo e criação coletiva
Arquitetura e paisagem: projeto participativo e criação coletiva
Monteiro Lobato e a presença francesa em A barca de Gleyre
Monteiro Lobato e a presença francesa em A barca de Gleyre
Castrati e outros virtuoses: prática vocal na Corte de D João VI
Castrati e outros virtuoses: prática vocal na Corte de D João VI
Newsletter
Ofertas e promoções exclusivas por e-mail