Annablume Editora
BOX_HEADING_LOGIN_BOX
Seja Bem Vindo(a)!

Faça seu login
Cadastre-se

 
 
 
HomeSite
Busca Rápida
Suas Compras   Meu Carrinho 2 Iten(s):
Fabricantes
Fabricantes
Categorias
Categorias
        -Arquitetura, Urbanismo e Políticas Urbanas
        -Biblioteca Flusseriana
        -Corpo, Sexualidades e Políticas da Multidão
        -Cultura Tecnológica e Redes Digitais
        -Geografia e Temas Socioambientais
        -Sociologia
        -Todas as Coleções
        -Todos os Temas
        Artes
        Outros Temas
        Revistas
Promoção
Especiais mais
A cidade de Goiás como patrimônio cultural mundial: descompassos
A cidade de Goiás como patrimônio cultural mundial: descompassos
De: R$ 70,00
  Por: R$ 56,00
Economia de R$ 14,00
Veja mais promoções
Novidades
Novidades mais
Planejamento urbano e regional no Brasil: as ideias, planos e co
Planejamento urbano e regional no Brasil: as ideias, planos e co
R$ 60,00
R$ 48,00
Veja mais novidades
O corpo como grande razão
O corpo como grande razão
Código do Produto: 14x21
De: R$ 57,00
Por: R$ 42,75
Economia de R$ 14,25
 
Acessar a Cia. dos Livros

O corpo como grande razão: análise do fenômeno do corpo no pensamento de Friedrich Nietzsche
Robson Costa Cordeiro
Formato 14x21 cm, 254 páginas
ISBN 978-85-391-0401-7

Quando fala de corpo como grande razão Nietzsche está querendo mostrar que corpo significa afecção, percepção, e que esta grande razão, esta afecção que é corpo, é poder de síntese e compactação. Mas não do intelecto ou da parte inteligível da alma, como se queira chamar. É poder de síntese como irrupção originária, através da qual vida, enquanto poder incontrolável, inesperado, transcendente, brota súbita e gratuitamente compactada em uma perspectiva, em um modo particular de ser, de aparecer. Por outro lado, a razão em seu sentido tradicional, a partir do qual ela é vista apenas como faculdade inteligível, no sentido de razão calculadora, de faculdade que esquematiza e ordena o real segundo conceitos e relações lógico-formais, é compreendida por ele como pequena razão. Pequena porque compreende o real como oposição entre um estrato inteligível e outro sensível, separando-o assim em alma e corpo, psíquico e físico, espírito e matéria, sujeito e objeto, o que caracteriza o modo próprio de pensar platônico, cristão, moderno, em suma, metafísico, ocidental.
 
Também compraram este produto
Clientes que compraram este produto, também compraram:
     O Jovem Nietzsche e a história   O Jovem Nietzsche e a história
     Cultura militar e de violência no mundo antigo   Cultura militar e de violência no mundo antigo
     Cães filósofos: história da filosofia de resistência   Cães filósofos: história da filosofia de resistência
     Nietzsche e a rebelião escrava do ocidente   Nietzsche e a rebelião escrava do ocidente
     Nietzsche: a experiência de si como transgressão   Nietzsche: a experiência de si como transgressão
     Subjetividades antigas e modernas   Subjetividades antigas e modernas
 
Últimos Produtos Visitados
Os dilemas do humano: reinventando o corpo, era (bio)tecnológica
Os dilemas do humano: reinventando o corpo, era (bio)tecnológica
O projeto teórico de Michel Pêcheux
O projeto teórico de Michel Pêcheux
A invenção da baianidade
A invenção da baianidade
Rupturas Possíveis: a série Os Assumidos (Queer as folk)
Rupturas Possíveis: a série Os Assumidos (Queer as folk)
Lugar Nenhum ou Bora Bora? Rock brasileiro anos 80
Lugar Nenhum ou Bora Bora? Rock brasileiro anos 80
As origens da modern dance
As origens da modern dance
Delicadas relações: educação, homossexualidade, cinema
Delicadas relações: educação, homossexualidade, cinema
Os sapatos floridos não voam
Os sapatos floridos não voam
Artes do impossível: protestos no movimento antiglobalização
Artes do impossível: protestos no movimento antiglobalização
Reúso de águas e saúde pública
Reúso de águas e saúde pública
Newsletter
Ofertas e promoções exclusivas por e-mail