Annablume Editora
BOX_HEADING_LOGIN_BOX
Seja Bem Vindo(a)!

Faça seu login
Cadastre-se

 
 
 
HomeSite
Busca Rápida
Suas Compras   Meu Carrinho 0 Iten(s):
Fabricantes
Fabricantes
Categorias
Categorias
        -Arquitetura, Urbanismo e Políticas Urbanas
        -Biblioteca Flusseriana
        -Corpo, Sexualidades e Políticas da Multidão
        -Cultura Tecnológica e Redes Digitais
        -Geografia e Temas Socioambientais
        -Sociologia
        -Todas as Coleções
        -Todos os Temas
        Artes
        Outros Temas
        Revistas
Promoção
Especiais mais
Urbanismo e política no Brasil dos anos 1960
Urbanismo e política no Brasil dos anos 1960
De: R$ 80,00
  Por: R$ 80,00
Economia de R$ 0,00
Veja mais promoções
Novidades
Novidades mais
Religião, diálogo e múltiplas pertenças
Religião, diálogo e múltiplas pertenças
R$ 40,00
R$ 40,00
Veja mais novidades
O “It Verde e Amarelo” de Carmen Miranda 1930/46
O “It Verde e Amarelo”  de Carmen Miranda 1930/46
Código do Produto: 14x21
De: R$ 58,00
Por: R$ 58,00
Economia de R$ 0,00
 
Acessar a Cia. dos Livros

O “It Verde e Amarelo” de Carmen Miranda (1930/46)
Tânia da Costa Garcia
Formato 14x21cm, 251 páginas
ISBN: 85-7419-450-6

Prefácio Maria Ligia Coelho Prado

A trajetória artística de Carmen Miranda interessa a um público bem mais amplo que aquele formado por seus fãs e admiradores. Em O “it verde e amarelo” de Carmen Miranda, Tânia Garcia, numa abordagem nova e instigante, percorre todos os meandros da trama que transforma essa mulher num controverso ícone de brasilidade.

O livro situa, inicialmente, a cantora de sambas e marchinhas na discussão que se estabelecia na década de 30 sobre música e identidade nacional. Nesse período, em que os meios de comunicação tiveram um importante papel na construção e difusão de uma unidade imaginada, Tânia Garcia analisa as tensões em torno da canção popular carioca, veiculada pelo rádio e pelo cinema como a canção popular nacional, e da figura de Carmen Miranda, nomeada pela imprensa escrita da época como cantora do "it verde e amarelo".

Ainda dentro da atmosfera nacionalista do período, a autora procura desvendar de que maneira a baiana estilizada, criada por Carmen no Brasil para o filme musical Banana da Terra, ao emigrar para os Estados Unidos, se torna em Hollywood um símbolo da identidade nacional e latino-americana.
 
Newsletter
Ofertas e promoções exclusivas por e-mail