Annablume Editora
BOX_HEADING_LOGIN_BOX
Seja Bem Vindo(a)!

Faça seu login
Cadastre-se

 
 
 
HomeSite
Busca Rápida
Suas Compras   Meu Carrinho 0 Iten(s):
Fabricantes
Fabricantes
Categorias
Categorias
        -Arquitetura, Urbanismo e Políticas Urbanas
        -Biblioteca Flusseriana
        -Corpo, Sexualidades e Políticas da Multidão
        -Cultura Tecnológica e Redes Digitais
        -Geografia e Temas Socioambientais
        -Sociologia
        -Todas as Coleções
          - Archai
          - Artes Performativas e Filosofia
          - Atopos
          - Cidadania e Meio Ambiente
          - Classica Digitalia Brasil
          - Crítica Contemporânea
          - Filosofia e Linguagem
          - Geografia e Adjacências
          - História e Arqueologia em Movimento
          - Leituras do Corpo
          - Palavra e Conhecimento
          - Políticas da Multidão
          - Queer
          - Sentido e Significação
          - Trabalho e Contemporaneidade
          - Ato Psicanalítico
          - Estudos & Fontes
          - Olhares
        -Todos os Temas
        Artes
        Outros Temas
        Revistas
Promoção
Especiais mais
Direito e profissões jurídicas no Brasil após 1988: expansão, co
Direito e profissões jurídicas no Brasil após 1988: expansão, co
De: R$ 55,00
  Por: R$ 44,00
Economia de R$ 11,00
Veja mais promoções
Novidades
Novidades mais
A Rede da mobilidade a pé
A Rede da mobilidade a pé
R$ 58,00
R$ 46,40
Veja mais novidades
Crise no castelo da cultura
Crise no castelo da cultura
Código do Produto: 14x21 cm
De: R$ 74,50
Por: R$ 59,60
Economia de R$ 14,90
 
Acessar a Cia. dos Livros


Crise no castelo da cultura – Das estrelas para as telas
Moisés de Lemos Martins
Formato 14x21 cm, 272 páginas
ISBN 978-85-391-0262-4

“Este ensaio sobre a crise da cultura situa-se precisamente neste movimento de translação da cultura ocidental, da palavra para o número, do logos para o ícon, da ideia para a emoção, do uno para o múltiplo, enfim, das estrelas para as telas. (...) Podemos dizer, com efeito, que a primeira palavra deste ensaio é o fluxo, sendo a última a informação, que também é fluxo. É na passagem de um pensamento preso da individualização, que é substancialista, a um pensamento agilizado pelo fluxo da individuação, cuja natureza é tensional, que situo este ensaio sobre a crise da cultura. A história do Ocidente tem sido, sobretudo, pensamento substancialista. Sujeito à lógica da identidade, estabilidade e autonomia, o pensamento substancialista valoriza aquilo que na história aparece finalizado em coisa ou estado de coisa, assenta no paradigma da visão e tem um registro epistemológico. Por sua vez, o pensamento da individuação inscreve-se na lógica da diferença e valoriza aquilo que na história aparece de um modo não finalizado. Funciona num registro ontológico e assenta no paradigma do fluxo, em que consistem a vivência, a informação, o movimento e o processo, e no paradigma da audição, que é som, ressonância, vibração, modulação, ritmo, cadência, relação, tensão, duração e memória.”

Moisés de L. Martins

 
Também compraram este produto
Clientes que compraram este produto, também compraram:
     Língua e realidade - 3ª edição   Língua e realidade - 3ª edição
 
Últimos Produtos Visitados
Redes digitais e sustentabilidade
Redes digitais e sustentabilidade
Paisagens pós-urbanas: formas comunicativas do habitar
Paisagens pós-urbanas: formas comunicativas do habitar
Tecno-pedagogia: os games na formação dos nativos digitais
Tecno-pedagogia: os games na formação dos nativos digitais
Newsletter
Ofertas e promoções exclusivas por e-mail