Annablume Editora
BOX_HEADING_LOGIN_BOX
Seja Bem Vindo(a)!

Faça seu login
Cadastre-se

 
 
 
HomeSite
Busca Rápida
Suas Compras   Meu Carrinho 0 Iten(s):
Fabricantes
Fabricantes
Categorias
Categorias
        -Arquitetura, Urbanismo e Políticas Urbanas
        -Biblioteca Flusseriana
        -Corpo, Sexualidades e Políticas da Multidão
        -Cultura Tecnológica e Redes Digitais
        -Geografia e Temas Socioambientais
        -Sociologia
        -Todas as Coleções
          - Archai
          - Artes Performativas e Filosofia
          - Atopos
          - Cidadania e Meio Ambiente
          - Classica Digitalia Brasil
          - Crítica Contemporânea
          - Filosofia e Linguagem
          - Geografia e Adjacências
          - História e Arqueologia em Movimento
          - Leituras do Corpo
          - Palavra e Conhecimento
          - Políticas da Multidão
          - Queer
          - Sentido e Significação
          - Trabalho e Contemporaneidade
          - Ato Psicanalítico
          - Estudos & Fontes
          - Olhares
        -Todos os Temas
        Artes
        Outros Temas
        Revistas
Promoção
Especiais mais
Estudos e ações transdisciplinares em Mudança Social e Participa
Estudos e ações transdisciplinares em Mudança Social e Participa
De: R$ 60,00
  Por: R$ 48,00
Economia de R$ 12,00
Veja mais promoções
Novidades
Novidades mais
Psicanálise e teoria política contemporânea
Psicanálise e teoria política contemporânea
R$ 75,00
R$ 60,00
Veja mais novidades
Cidadania e modernidade no Brasil (1930-1945)
Cidadania e modernidade no Brasil (1930-1945)
Código do Produto: 14x21 cm
De: R$ 54,00
Por: R$ 40,50
Economia de R$ 13,50
 

Cidadania e modernidade no Brasil (1930-1945) – Uma crítica a um discurso hegemônico
Sergio Barreira de Faria Tavolaro
Formato 14X21cm, 220 páginas
ISBN 978-85-391-0261-7

O presente livro problematiza um certo discurso que tem ocupado posição hegemônica no cenário acadêmico brasileiro. De acordo com o autor, a experiência da modernidade no Brasil é algo distinto dos cenários observados nas chamadas “sociedades modernas centrais”. Para abordar criticamente esse discurso da excepcionalidade brasileira, adota-se uma dupla estratégia: um debate franco com duas das mais influentes abordagens de nosso pensamento social (a sociologia da dependência e a abordagem da herança patriarcal-patrimonial) e, ao lado disso, uma investigação dos embates e disputas em torno da construção da cidadania na chamada Era Vargas (1930-1945). Seria sociologicamente legítimo afirmar ser o Brasil contemporâneo uma sociedade plenamente moderna? Qual o perfil da normatividade consolidada na esteira do processo de modernização brasileiro? Estas são algumas das perguntas que alavancaram e, a partir daí, lograram orientar a sociologia brasileira e que são discutidas pelo autor.

 
Newsletter
Ofertas e promoções exclusivas por e-mail