Annablume Editora
BOX_HEADING_LOGIN_BOX
Seja Bem Vindo(a)!

Faça seu login
Cadastre-se

 
 
 
HomeSite
Busca Rápida
Suas Compras   Meu Carrinho 4 Iten(s):
Fabricantes
Fabricantes
Categorias
Categorias
        -Arquitetura, Urbanismo e Políticas Urbanas
        -Biblioteca Flusseriana
        -Corpo, Sexualidades e Políticas da Multidão
        -Cultura Tecnológica e Redes Digitais
        -Geografia e Temas Socioambientais
        -Sociologia
        -Todas as Coleções
        -Todos os Temas
          - Análise do Discurso e Semiótica
          - Antropologia
          - Arqueologia
          - Arquitetura
          - Artes Clássicas e na Antiguidade
          - Artes Contemporâneas
          - Ciência Política
          - Comunicação
          - Crítica Literária
          - Educação
          - Estudos de Corpo
          - Estudos de Gênero
          - Estudos de Religião
          - Filosofia
          - Filosofia Antiga
          - Geografia
          - História
          - História Antiga
          - Meio Ambiente
          - Psicanálise
          - Quadrinhos
          - Redes Digitais
          - Relações Internacionais
          - Sociologia
          - Sociologia do Trabalho
          - Urbanismo
        Artes
        Outros Temas
        Revistas
Promoção
Especiais mais
Religião, diálogo e múltiplas pertenças
Religião, diálogo e múltiplas pertenças
De: R$ 40,00
  Por: R$ 40,00
Economia de R$ 0,00
Veja mais promoções
Novidades
Novidades mais
Pela metade: a lei de drogas do Brasil
Pela metade: a lei de drogas do Brasil
R$ 70,00
R$ 70,00
Veja mais novidades
A Embriaguez de Baudelaire: Artificialidades do Paraíso Moderno
A Embriaguez de Baudelaire: Artificialidades do Paraíso Moderno
Código do Produto: 14x21
De: R$ 41,00
Por: R$ 41,00
Economia de R$ 0,00
 
Acessar Um LivroAcessar O Ateneum

A Embriaguez de Baudelaire: Artificialidades do Paraíso Moderno
Camila Pereira
Formato 14x21 cm, 114 páginas
ISBN 978-85-391-0604-2

Este livro pretende discutir como a modernidade de Baudelaire traz consigo uma idealidade firmada no artificial. Para ele, a natureza deixou de ser o lugar idealizado que havia sido para os românticos e a noção de beleza vinculou-se à de arte enquanto produção humana, concedendo ao homem autonomia para atingir a elevação. Um dos caminhos para alcançar essa transcendência moderna foi a embriaguez por meio de narcóticos. O vinho, o ópio e o haxixe permitiram a transfiguração de realidades e a ascensão a um mundo em que cada um deles criava mecanismos singulares de convívio, ação e compreensão do real.
 
 
Últimos Produtos Visitados
O mundo das feras: moradores do sertão oeste de MG séc. XVIII
O mundo das feras: moradores do sertão oeste de MG séc. XVIII
Memórias e Identidades num vai-e-vem...
Memórias e Identidades num vai-e-vem...
Viver e sobreviver em uma vila colonial: Sorocaba séc. XVIII/XIX
Viver e sobreviver em uma vila colonial: Sorocaba séc. XVIII/XIX
O ressurgir das cinzas: negros paulistanos no pós-abolição
O ressurgir das cinzas: negros paulistanos no pós-abolição
Fatores condicionantes na morfologia do retábulo : a arte da tal
Fatores condicionantes na morfologia do retábulo : a arte da tal
Letras e identidades: São Paulo no século XX
Letras e identidades: São Paulo no século XX
JK desperta BH (1940 – 1945)
JK desperta BH (1940 – 1945)
Newsletter
Ofertas e promoções exclusivas por e-mail