Annablume Editora
BOX_HEADING_LOGIN_BOX
Seja Bem Vindo(a)!

Faça seu login
Cadastre-se

 
 
 
HomeSite
Busca Rápida
Suas Compras   Meu Carrinho 0 Iten(s):
Fabricantes
Fabricantes
Categorias
Categorias
        -Arquitetura, Urbanismo e Políticas Urbanas
        -Biblioteca Flusseriana
        -Corpo, Sexualidades e Políticas da Multidão
        -Cultura Tecnológica e Redes Digitais
        -Geografia e Temas Socioambientais
        -Sociologia
        -Todas as Coleções
        -Todos os Temas
        Artes
        Outros Temas
        Revistas
Promoção
Especiais mais
Na música: Vilém Flusser
Na música: Vilém Flusser
De: R$ 46,00
  Por: R$ 36,80
Economia de R$ 9,20
Veja mais promoções
Novidades
Novidades mais
De dores e de amores : (re) construções da homossexualidade paul
De dores e de amores : (re) construções da homossexualidade paul
R$ 62,50
R$ 50,00
Veja mais novidades
Sambas, batuques, vozerias e farsas públicas: PE, séc. XIX
Sambas, batuques, vozerias e farsas públicas: PE, séc. XIX
Código do Produto: 14x21
De: R$ 29,00
Por: R$ 21,75
Economia de R$ 7,25
 

Sambas, batuques, vozerias e farsas públicas: o controle social sobre os escravos em Pernambuco no século XIX (1850/88)
Clarissa Nunes Maia
Formato 14x21cm, 142 páginas
ISBN 978-85-7419-838-5

Utilizando as posturas municipais, documentação policial e jornais de época, Clarissa Maia mostra como as autoridades do Recife – políticos, policiais e religiosos – tentaram ordenar a cidade e controlar a vida dos segmentos sociais tidos como os mais perigosos: os escravos e os livres pobres.

Ao longo do trabalho, entretanto, a autora evidencia como esta ordem foi apenas idealizada. Escravos, libertos e livres pobres conseguiam encontrar brechas para a construção de solidariedades e identidades nas suas festas, autos do boi, casas de batuque, bandas de música e tavernas. Apesar das inúmeras proibições, a população negra e pobre renovava antigas tradições culturais, e as transformava nas novas identidades da própria cidade, como o frevo e o maracatu.

Sumário sintetizado

Prefácio Martha Abreu

Capítulo 1 Pernambuco na segunda metade do século XIX
Os homens livres pobres
A cidade do Recife

Capítulo 2 O escravo nas posturas municipais de Pernambuco
As fugas para a cidade e o abrandamento das penas para os escravos
A idealização do cotidiano

Capítulo 3 Posturas municipais: a realidade do cotidiano
Os ajuntamentos
Em torno das bandas de música
As farsas públicas

 
Também compraram este produto
Clientes que compraram este produto, também compraram:
     Brasil Central: 12.000 anos de ocupação humana no rio Tocantins   Brasil Central: 12.000 anos de ocupação humana no rio Tocantins
     Nem tudo era italiano: SP e pobreza (1890/1915) - 4a ed.   Nem tudo era italiano: SP e pobreza (1890/1915) - 4a ed.
 
Últimos Produtos Visitados
Terras, florestas e águas de trabalho
Terras, florestas e águas de trabalho
O lado B
O lado B
Um cinema brasileiro antropofágico? (1970/74)
Um cinema brasileiro antropofágico? (1970/74)
Teatro como Lente de Aumento
Teatro como Lente de Aumento
Teatro e política, Arena Oficina e Opinião
Teatro e política, Arena Oficina e Opinião
Newsletter
Ofertas e promoções exclusivas por e-mail