Annablume Editora
BOX_HEADING_LOGIN_BOX
Seja Bem Vindo(a)!

Faça seu login
Cadastre-se

 
 
 
HomeSite
Busca Rápida
Suas Compras   Meu Carrinho 0 Iten(s):
Fabricantes
Fabricantes
Categorias
Categorias
        -Arquitetura, Urbanismo e Políticas Urbanas
        -Biblioteca Flusseriana
        -Corpo, Sexualidades e Políticas da Multidão
        -Cultura Tecnológica e Redes Digitais
        -Geografia e Temas Socioambientais
        -Sociologia
        -Todas as Coleções
        -Todos os Temas
        Artes
        Outros Temas
        Revistas
Promoção
Especiais mais
Produzir casas ou construir cidades? Desafios para um novo Brasi
Produzir casas ou construir cidades? Desafios para um novo Brasi
De: R$ 88,00
  Por: R$ 88,00
Economia de R$ 0,00
Veja mais promoções
Novidades
Novidades mais
Forró no asfalto: mercado e identidade sociocultural – 2ª edição
Forró no asfalto: mercado e identidade sociocultural – 2ª edição
R$ 50,00
R$ 50,00
Veja mais novidades
Sambas, batuques, vozerias e farsas públicas: PE, séc. XIX
Sambas, batuques, vozerias e farsas públicas: PE, séc. XIX
Código do Produto: 14x21
De: R$ 29,00
Por: R$ 29,00
Economia de R$ 0,00
 

Sambas, batuques, vozerias e farsas públicas: o controle social sobre os escravos em Pernambuco no século XIX (1850/88)
Clarissa Nunes Maia
Formato 14x21cm, 142 páginas
ISBN 978-85-7419-838-5

Utilizando as posturas municipais, documentação policial e jornais de época, Clarissa Maia mostra como as autoridades do Recife – políticos, policiais e religiosos – tentaram ordenar a cidade e controlar a vida dos segmentos sociais tidos como os mais perigosos: os escravos e os livres pobres.

Ao longo do trabalho, entretanto, a autora evidencia como esta ordem foi apenas idealizada. Escravos, libertos e livres pobres conseguiam encontrar brechas para a construção de solidariedades e identidades nas suas festas, autos do boi, casas de batuque, bandas de música e tavernas. Apesar das inúmeras proibições, a população negra e pobre renovava antigas tradições culturais, e as transformava nas novas identidades da própria cidade, como o frevo e o maracatu.

Sumário sintetizado

Prefácio Martha Abreu

Capítulo 1 Pernambuco na segunda metade do século XIX
Os homens livres pobres
A cidade do Recife

Capítulo 2 O escravo nas posturas municipais de Pernambuco
As fugas para a cidade e o abrandamento das penas para os escravos
A idealização do cotidiano

Capítulo 3 Posturas municipais: a realidade do cotidiano
Os ajuntamentos
Em torno das bandas de música
As farsas públicas

 
Também compraram este produto
Clientes que compraram este produto, também compraram:
     Nem tudo era italiano: SP e pobreza (1890/1915) - 4a ed.   Nem tudo era italiano: SP e pobreza (1890/1915) - 4a ed.
     Brasil Central: 12.000 anos de ocupação humana no rio Tocantins   Brasil Central: 12.000 anos de ocupação humana no rio Tocantins
Newsletter
Ofertas e promoções exclusivas por e-mail