Annablume Editora
BOX_HEADING_LOGIN_BOX
Seja Bem Vindo(a)!

Faça seu login
Cadastre-se

 
 
 
HomeSite
Busca Rápida
Suas Compras   Meu Carrinho 0 Iten(s):
Fabricantes
Fabricantes
Categorias
Categorias
        -Arquitetura, Urbanismo e Políticas Urbanas
        -Biblioteca Flusseriana
        -Corpo, Sexualidades e Políticas da Multidão
        -Cultura Tecnológica e Redes Digitais
        -Geografia e Temas Socioambientais
        -Sociologia
        -Todas as Coleções
        -Todos os Temas
        Artes
        Outros Temas
        Revistas
Promoção
Especiais mais
Ação feminista em defesa da legalização do aborto: movimento e i
Ação feminista em defesa da legalização do aborto: movimento e i
De: R$ 55,00
  Por: R$ 44,00
Economia de R$ 11,00
Veja mais promoções
Novidades
Novidades mais
O feminismo é feminino? A inexistência da Mulher e a subversão d
O feminismo é feminino? A inexistência da Mulher e a subversão d
R$ 55,00
R$ 44,00
Veja mais novidades
Cinema Noir
Cinema Noir
Código do Produto: 16X23
De: R$ 52,00
Por: R$ 39,00
Economia de R$ 13,00
 

Cinema Noir – espelho e fotografia
Marcia Ortegosa
Formato 16x23cm, 140 páginas
ISBN 978-85-391-0051-4

The Lady from Shangai (1948) é um clássico noir. Blade Runner (1982) e The Public Eye (1992) revisitam e atualizam o noir. Os três filmes, núcleo do livro de Márcia Ortegosa, investigam o que está oculto, nas sombras. Juntam os fragmentos, os indícios na busca da revelação do que se esconde. Apresentam semelhantes processamentos de linguagem. Nessa cadeia de significações, chega-se ao outro, o espelho sígnico, resgatando as conotações e ambigüidades que a estética de sombra e luzes do noir propicia.

O noir é o próprio mundo sem centro, onde as ilusões do homem foram perdidas e será justamente nesse universo que a ficção irá se voltar para a ilusão, para a sedução ameaçadora, para a simulação e para a artificialidade lançada por todos esses jogos de espelhos. A fragilidade de todos esses reflexos, dos duplos e até das sombras, nos dá a sensação do caráter efêmero das coisas: da relatividade em fixar um sentido único.

Espelho e fotografia: dois modos de parar o tempo são metáforas da reflexão crítica, da “pensatividade”. A fotografia, com o congelamento das imagens, rompe a velocidade do tempo. O espelho cria duplicatas, fragmentações. Através desses dois elementos estéticos, esse livro discute questões ligadas ao tempo, ao espaço e a representação. Numa abordagem metalinguística e intertextual este trabalho procura dialogar com as artes pictóricas, a literatura, a fotografia, o cinema e o universo fílmico, pensando as imagens num processo relacional, em constante atualização e espelhamento.

 
Também compraram este produto
Clientes que compraram este produto, também compraram:
     O cinema: uma arte sonora   O cinema: uma arte sonora
     O cinema musical Norte-americano   O cinema musical Norte-americano
Newsletter
Ofertas e promoções exclusivas por e-mail