Annablume Editora
BOX_HEADING_LOGIN_BOX
Seja Bem Vindo(a)!

Faça seu login
Cadastre-se

 
 
 
HomeSite
Busca Rápida
Suas Compras   Meu Carrinho 0 Iten(s):
Fabricantes
Fabricantes
Categorias
Categorias
        -Arquitetura, Urbanismo e Políticas Urbanas
        -Biblioteca Flusseriana
        -Corpo, Sexualidades e Políticas da Multidão
        -Cultura Tecnológica e Redes Digitais
        -Geografia e Temas Socioambientais
        -Sociologia
        -Todas as Coleções
        -Todos os Temas
        Artes
        Outros Temas
        Revistas
Promoção
Especiais mais
Produzir casas ou construir cidades? Desafios para um novo Brasi
Produzir casas ou construir cidades? Desafios para um novo Brasi
De: R$ 88,00
  Por: R$ 88,00
Economia de R$ 0,00
Veja mais promoções
Novidades
Novidades mais
O trabalho em territórios periféricos: estudos em três setores p
O trabalho em territórios periféricos: estudos em três setores p
R$ 65,00
R$ 65,00
Veja mais novidades
Cinema Noir
Cinema Noir
Código do Produto: 16X23
De: R$ 52,00
Por: R$ 52,00
Economia de R$ 0,00
 

Cinema Noir – espelho e fotografia
Marcia Ortegosa
Formato 16x23cm, 140 páginas
ISBN 978-85-391-0051-4

The Lady from Shangai (1948) é um clássico noir. Blade Runner (1982) e The Public Eye (1992) revisitam e atualizam o noir. Os três filmes, núcleo do livro de Márcia Ortegosa, investigam o que está oculto, nas sombras. Juntam os fragmentos, os indícios na busca da revelação do que se esconde. Apresentam semelhantes processamentos de linguagem. Nessa cadeia de significações, chega-se ao outro, o espelho sígnico, resgatando as conotações e ambigüidades que a estética de sombra e luzes do noir propicia.

O noir é o próprio mundo sem centro, onde as ilusões do homem foram perdidas e será justamente nesse universo que a ficção irá se voltar para a ilusão, para a sedução ameaçadora, para a simulação e para a artificialidade lançada por todos esses jogos de espelhos. A fragilidade de todos esses reflexos, dos duplos e até das sombras, nos dá a sensação do caráter efêmero das coisas: da relatividade em fixar um sentido único.

Espelho e fotografia: dois modos de parar o tempo são metáforas da reflexão crítica, da “pensatividade”. A fotografia, com o congelamento das imagens, rompe a velocidade do tempo. O espelho cria duplicatas, fragmentações. Através desses dois elementos estéticos, esse livro discute questões ligadas ao tempo, ao espaço e a representação. Numa abordagem metalinguística e intertextual este trabalho procura dialogar com as artes pictóricas, a literatura, a fotografia, o cinema e o universo fílmico, pensando as imagens num processo relacional, em constante atualização e espelhamento.

 
Também compraram este produto
Clientes que compraram este produto, também compraram:
     O cinema: uma arte sonora   O cinema: uma arte sonora
     O cinema musical Norte-americano   O cinema musical Norte-americano
Newsletter
Ofertas e promoções exclusivas por e-mail