Annablume Editora
BOX_HEADING_LOGIN_BOX
Seja Bem Vindo(a)!

Faça seu login
Cadastre-se

 
 
 
HomeSite
Busca Rápida
Suas Compras   Meu Carrinho 0 Iten(s):
Fabricantes
Fabricantes
Categorias
Categorias
        -Arquitetura, Urbanismo e Políticas Urbanas
        -Biblioteca Flusseriana
        -Corpo, Sexualidades e Políticas da Multidão
        -Cultura Tecnológica e Redes Digitais
        -Geografia e Temas Socioambientais
        -Sociologia
        -Todas as Coleções
        -Todos os Temas
        Artes
        Outros Temas
        Revistas
Promoção
Especiais mais
Produzir casas ou construir cidades? Desafios para um novo Brasi
Produzir casas ou construir cidades? Desafios para um novo Brasi
De: R$ 88,00
  Por: R$ 88,00
Economia de R$ 0,00
Veja mais promoções
Novidades
Novidades mais
Corpos em obras: um olhar sobre as práticas da cidade
Corpos em obras: um olhar sobre as práticas da cidade
R$ 65,00
R$ 65,00
Veja mais novidades
A sexta história
A sexta história
Código do Produto: 14x21
De: R$ 27,00
Por: R$ 27,00
Economia de R$ 0,00
 

A sexta história: a face trágica da narrativa em A hora da estrela
Felipe Mansur
Formato 14x21cm, 122 páginas
ISBN 978-85-391-0207-5

Este livro estrutura-se de três maneiras. Parte-se, primeiramente, de uma análise da forma da narrativa, de intensa carga dramática; posteriormente, a ênfase se dá através da linguagem, tanto do trabalho que Lispector faz dela em sua obra, quanto dos questionamentos acerca da linguagem literária, ou seja, a metanarrativa; por fim, na terceira parte, revela-se a condição trágica presente em Rodrigo S. M. de maneira mais abrangente. “A consciência trágica”, último capítulo do livro, mostra que se o trágico não pode mais ser escrito e vivenciado nos tempos modernos tal qual o era na tragédia ateniense, pode, no entanto, sobreviver e reinterpretar o universo da tragédia a partir do poder inerente da literatura. A hora da estrela mostra-se uma obra capaz de conduzir seu leitor à reflexão de que o trágico moderno consiste, justamente, na impossibilidade da tragédia ressurgir, pois a desmedida, que caracterizava o herói, não é mais uma desgraça que lhe acomete individualmente, já que na modernidade ela transfigura-se na forma de uma violência coletiva radicada no mundo. Rodrigo S. M. é a mascara de Clarice Lispector a procura de um rosto humano que lhe dê identidade.

 
Newsletter
Ofertas e promoções exclusivas por e-mail