Annablume Editora
BOX_HEADING_LOGIN_BOX
Seja Bem Vindo(a)!

Faça seu login
Cadastre-se

 
 
 
HomeSite
Busca Rápida
Suas Compras   Meu Carrinho 0 Iten(s):
Fabricantes
Fabricantes
Categorias
Categorias
        -Arquitetura, Urbanismo e Políticas Urbanas
        -Biblioteca Flusseriana
        -Corpo, Sexualidades e Políticas da Multidão
        -Cultura Tecnológica e Redes Digitais
        -Geografia e Temas Socioambientais
        -Sociologia
        -Todas as Coleções
        -Todos os Temas
        Artes
        Outros Temas
        Revistas
Promoção
Especiais mais
Saul de Vilém Flusser: diálogo e subversão
Saul de Vilém Flusser: diálogo e subversão
De: R$ 50,00
  Por: R$ 40,00
Economia de R$ 10,00
Veja mais promoções
Novidades
Novidades mais
A cidade de Goiás como patrimônio cultural mundial: descompassos
A cidade de Goiás como patrimônio cultural mundial: descompassos
R$ 70,00
R$ 56,00
Veja mais novidades
O discurso da poesia concreta
O discurso da poesia concreta
Código do Produto: 16 X 23
De: R$ 61,00
Por: R$ 45,75
Economia de R$ 15,25
 

O discurso da poesia concreta: Uma abordagem da semiótica
Antonio Vicente Pietroforte
Formato 16x23 cm, 216 páginas
ISBN 978-85-391-0218-1

Concentradas neste título “O Discurso da Poesia Concreta”, três figuras de linguagem, a saber: ambiguidade, oximoro e ironia, prenunciam os múltiplos sentidos das questões suscitadas por este livro assim intitulado.
Neste título, é ambíguo se a locução adjetiva “da Poesia Concreta” é genitivus subjetivus ou genitivus objetivus: “Poesia Concreta” é o sujeito que faz o “Discurso”, ou é o objeto a respeito de que o “Discurso” discorre?
Na primeira hipótese, de “Poesia Concreta” ser o sujeito que faz o “Discurso”, temos um oximoro, isto é, uma unidade feita de dois termos contrários e excludentes, pois a Poesia Concreta é programaticamente antidiscursiva, icônica, visual, simultânea, e imputar-lhe um “Discurso” é contrariar o que o seu programa se propõe.
Na segunda hipótese, de “Poesia Concreta” ser o objeto explicado por este “Discurso”, instala-se uma terrível ironia, pois o “Discurso” que se faz a respeito da Poesia Concreta neste livro é o discurso científico, isto é, um discurso essencialmente e rigorosamente abstrato, teorético e conceitual.
A ironia reside em que o discurso deste livro, originalmente uma tese de Livre Docência, é de leitura surpreendentemente fluente e claro, imediatamente compreensível e convincente na apresentação que faz do sentido do poema concreto. Mas o poema concreto já não mais tem esse sentido imediatamente claro e convincente em sua linguagem naturalmente icônica e simultânea, mas, sim, na linguagem teórica e conceitual do discurso científico.

Jaa Torrano

 
Newsletter
Ofertas e promoções exclusivas por e-mail