Annablume Editora
BOX_HEADING_LOGIN_BOX
Seja Bem Vindo(a)!

Faça seu login
Cadastre-se

 
 
 
HomeSite
Busca Rápida
Suas Compras   Meu Carrinho 3 Iten(s):
Fabricantes
Fabricantes
Categorias
Categorias
        -Arquitetura, Urbanismo e Políticas Urbanas
        -Biblioteca Flusseriana
        -Corpo, Sexualidades e Políticas da Multidão
        -Cultura Tecnológica e Redes Digitais
          - Atopos
        -Geografia e Temas Socioambientais
        -Sociologia
        -Todas as Coleções
        -Todos os Temas
        Artes
        Outros Temas
        Revistas
Promoção
Especiais mais
Urbanismo e política no Brasil dos anos 1960
Urbanismo e política no Brasil dos anos 1960
De: R$ 80,00
  Por: R$ 80,00
Economia de R$ 0,00
Veja mais promoções
Novidades
Novidades mais
A psicanálise em Israel: sobre as origens do movimento freudiano
A psicanálise em Israel: sobre as origens do movimento freudiano
R$ 95,00
R$ 95,00
Veja mais novidades
Crise no castelo da cultura
Crise no castelo da cultura
Código do Produto: 14x21 cm
De: R$ 60,00
Por: R$ 60,00
Economia de R$ 0,00
 
Acessar a Cia. dos Livros


Crise no castelo da cultura – Das estrelas para as telas
Moisés de Lemos Martins
Formato 14x21 cm, 272 páginas
ISBN 978-85-391-0262-4

“Este ensaio sobre a crise da cultura situa-se precisamente neste movimento de translação da cultura ocidental, da palavra para o número, do logos para o ícon, da ideia para a emoção, do uno para o múltiplo, enfim, das estrelas para as telas. (...) Podemos dizer, com efeito, que a primeira palavra deste ensaio é o fluxo, sendo a última a informação, que também é fluxo. É na passagem de um pensamento preso da individualização, que é substancialista, a um pensamento agilizado pelo fluxo da individuação, cuja natureza é tensional, que situo este ensaio sobre a crise da cultura. A história do Ocidente tem sido, sobretudo, pensamento substancialista. Sujeito à lógica da identidade, estabilidade e autonomia, o pensamento substancialista valoriza aquilo que na história aparece finalizado em coisa ou estado de coisa, assenta no paradigma da visão e tem um registro epistemológico. Por sua vez, o pensamento da individuação inscreve-se na lógica da diferença e valoriza aquilo que na história aparece de um modo não finalizado. Funciona num registro ontológico e assenta no paradigma do fluxo, em que consistem a vivência, a informação, o movimento e o processo, e no paradigma da audição, que é som, ressonância, vibração, modulação, ritmo, cadência, relação, tensão, duração e memória.”

Moisés de L. Martins

 
Também compraram este produto
Clientes que compraram este produto, também compraram:
     Língua e realidade - 3ª edição   Língua e realidade - 3ª edição
 
Últimos Produtos Visitados
Tempos de trabalho, tempos de não trabalho
Tempos de trabalho, tempos de não trabalho
Desfile na avenida, trabalho na escola de samba
Desfile na avenida, trabalho na escola de samba
Banquete: apologia de Sócrates
Banquete: apologia de Sócrates
A sacralidade digital
A sacralidade digital
Entre campos: nações, culturas e o fascínio da raça
Entre campos: nações, culturas e o fascínio da raça
Newsletter
Ofertas e promoções exclusivas por e-mail