Annablume Editora
BOX_HEADING_LOGIN_BOX
Seja Bem Vindo(a)!

Faça seu login
Cadastre-se

 
 
 
HomeSite
Busca Rápida
Suas Compras   Meu Carrinho 0 Iten(s):
Fabricantes
Fabricantes
Categorias
Categorias
        -Arquitetura, Urbanismo e Políticas Urbanas
        -Biblioteca Flusseriana
        -Corpo, Sexualidades e Políticas da Multidão
        -Cultura Tecnológica e Redes Digitais
        -Geografia e Temas Socioambientais
        -Sociologia
        -Todas as Coleções
        -Todos os Temas
        Artes
        Outros Temas
        Revistas
Promoção
Especiais mais
Primeiras experiências com o racismo: crianças negras, práticas
Primeiras experiências com o racismo: crianças negras, práticas
De: R$ 70,00
  Por: R$ 56,00
Economia de R$ 14,00
Veja mais promoções
Novidades
Novidades mais
Agricultura urbana: como ativismo na cidade de São Paulo
Agricultura urbana: como ativismo na cidade de São Paulo
R$ 56,00
R$ 44,80
Veja mais novidades
Pós-História – Vinte instantâneos e um modo de usar
Pós-História – Vinte instantâneos e um modo de usar
Código do Produto: 14x21 cm
De: R$ 63,90
Por: R$ 63,90
Economia de R$ 0,00
 
Acessar a Cia. dos Livros

Pós-História – Vinte instantâneos e um modo de usar
Vilém Flusser
Formato 14x21 cm, 194 páginas
ISBN 978-85-391-0297-6

A pós-história está raiando. Está raiando em duas formas: na da estupidez dos aparelhos programadores, e na forma da estupidez dos bárbaros destruidores de aparelhos. Mas, em meio de tal maré de alienação desenfreada, continuamos abertos para a realidade concreta, a qual vivenciamos, atualmente, sob forma da solidão para a morte. Não apenas sob forma da nossa própria solidão para a morte do outro. A despeito da maré que nos cerca, e que vai engolindo-nos, estamos abertos para tal reconhecimento de nós próprios no outro. Não mais, por certo, na sociedade, mas na solidão do ensimesmamento. Somos, em tal sentido duplamente negativos, abertos para o amor, que omnia vinct. Por certo: somos programados para sermos homines ludentes. Mas isto não implica necessariamente sermos programados apenas para sermos funcionários robotizados, objetos. Podemos, igualmente, ser jogadores que jogam em função do outro. Destarte podemos, de robôs, passar a ser novamente “imagens de Deus”, pela porta de serviço. Romper a simbolização alienada e retornar à experiência concreta da própria morte no outro. Retornar, em suma, para sermos homens.

 
Também compraram este produto
Clientes que compraram este produto, também compraram:
     Sistema internacional de hegemonia conservadora   Sistema internacional de hegemonia conservadora
     Ser judeu   Ser judeu
     Pós-história de Vilém Flusser: gênese-anatomia-desdobramentos   Pós-história de Vilém Flusser: gênese-anatomia-desdobramentos
     Conceitualismo do Sul/Sur   Conceitualismo do Sul/Sur
     A época brasileira de Vilém Flusser   A época brasileira de Vilém Flusser
     Vilém Flusser: uma introdução   Vilém Flusser: uma introdução
 
Últimos Produtos Visitados
Natural:mente
Natural:mente
Democracia, pós- desenvolvimento e gestão de bens comuns : persp
Democracia, pós- desenvolvimento e gestão de bens comuns : persp
A dúvida
A dúvida
Geografia, Turismo e Patrimônio Cultural: Identidades, Usos e Id
Geografia, Turismo e Patrimônio Cultural: Identidades, Usos e Id
As armadilhas da flexibilidade : trabalho e gênero no setor de t
As armadilhas da flexibilidade : trabalho e gênero no setor de t
A filosofia da ficção de Vilém Flusser
A filosofia da ficção de Vilém Flusser
Newsletter
Ofertas e promoções exclusivas por e-mail