Annablume Editora
BOX_HEADING_LOGIN_BOX
Seja Bem Vindo(a)!

Faça seu login
Cadastre-se

 
 
 
HomeSite
Busca Rápida
Suas Compras   Meu Carrinho 0 Iten(s):
Fabricantes
Fabricantes
Categorias
Categorias
        -Arquitetura, Urbanismo e Políticas Urbanas
        -Biblioteca Flusseriana
        -Corpo, Sexualidades e Políticas da Multidão
        -Cultura Tecnológica e Redes Digitais
        -Geografia e Temas Socioambientais
        -Sociologia
        -Todas as Coleções
        -Todos os Temas
        Artes
        Outros Temas
        Revistas
Promoção
Especiais mais
Ele fala de si como de um outro: ensaio sobre a voz em Samuel Be
Ele fala de si como de um outro: ensaio sobre a voz em Samuel Be
De: R$ 40,00
  Por: R$ 32,00
Economia de R$ 8,00
Veja mais promoções
Novidades
Novidades mais
O feminismo é feminino? A inexistência da Mulher e a subversão d
O feminismo é feminino? A inexistência da Mulher e a subversão d
R$ 55,00
R$ 44,00
Veja mais novidades
1932 pela força da tradição
1932 pela força da tradição
Código do Produto: 14x21
De: R$ 57,00
Por: R$ 42,75
Economia de R$ 14,25
 

1932 pela força da tradição: do confronto bélico à batalha pela memória (1932-1934)
João Paulo Rodrigues
Formato 14x21 cm, 254 páginas
ISBN 978-85-391-0385-0

Aproximando-se de completar oitenta anos, o levante paulista de 1932 avança o limite do tempo de vida de suas testemunhas e penetra candente os domínios da memória e da história. Incensado por muitos por seu suposto legado democrático, rechaçado por outros pela conjectural faceta politiqueira e “conservadora” que o perpassaria, 32 tornou-se mote das mais vivas disputas.
Neste livro, João Paulo Rodrigues investiga as bases de formação deste culto na década de trinta, lançando luzes sobre os embates travados entre o Governo Provisório de Getúlio Vargas e a burguesia paulista para definir o futuro do país, os quais encontraram na propaganda e no simbólico eficazes armas de combate.
Derrotadas nas trincheiras, as elites de São Paulo veriam na força da tradição o caminho para a redenção e a vitória na Constituinte de 1933/34. Narcisicamente responsável por outros feitos históricos de grande envergadura, São Paulo inaugurava, assim, a luta contra a ditadura no Brasil, feito digno de se juntar ao panteão secular paulista.
 
Newsletter
Ofertas e promoções exclusivas por e-mail