Annablume Editora
BOX_HEADING_LOGIN_BOX
Seja Bem Vindo(a)!

Faça seu login
Cadastre-se

 
 
 
HomeSite
Busca Rápida
Suas Compras   Meu Carrinho 0 Iten(s):
Fabricantes
Fabricantes
Categorias
Categorias
        -Arquitetura, Urbanismo e Políticas Urbanas
        -Biblioteca Flusseriana
        -Corpo, Sexualidades e Políticas da Multidão
        -Cultura Tecnológica e Redes Digitais
        -Geografia e Temas Socioambientais
        -Sociologia
          - -Annablume Literária
          - Crítica Contemporânea
          - Trabalho e Contemporaneidade
        -Todas as Coleções
        -Todos os Temas
        Artes
        Outros Temas
        Revistas
Promoção
Especiais mais
Psicanálise e teoria política contemporânea
Psicanálise e teoria política contemporânea
De: R$ 75,00
  Por: R$ 75,00
Economia de R$ 0,00
Veja mais promoções
Novidades
Novidades mais
Religião, diálogo e múltiplas pertenças
Religião, diálogo e múltiplas pertenças
R$ 40,00
R$ 40,00
Veja mais novidades
Movimento hip hop: a anti-cordialidade da "república dos manos"
Movimento hip hop: a anti-cordialidade da "república dos manos"
Código do Produto: 14x21
De: R$ 73,60
Por: R$ 73,60
Economia de R$ 0,00
 
Acessar a Cia. dos Livros

O movimento hip hop: a anti-cordialidade da "república dos manos" e a estética da violência
Rafael Lopes de Sousa
Formato 14x21 cm, 268 páginas
ISBN 978-85-391-0455-0

O esforço de escrever uma história do tempo presente é tão intenso como o de começar uma genealogia de pendências históricas irreparáveis. O presente livro persegue esse objetivo, por duas vias distintas. Por um lado, intenta refletir sobre o imediatismo dos acontecimentos da história e de seus agentes sociais quando, por exemplo, busca compreender as demandas que os jovens da cultura hip hop trazem à tona para repensar a agenda pública da nação. Mergulha, por outro lado, no imprevisível túnel da história mais remota, a fim de inventariar os links que a tradição de luta e resistência da cultura negro-mestiça legou para a atualidade. Rafael de Sousa conclui, então, que a música negra esteve sempre com os pés fincados no presente, mas com o pensamento orgulhosamente enlaçado com as tradições e costumes de seus ancestrais. O hip hop da república dos manos veio para atualizar essas tradições, ao mesmo tempo em que busca oferecer resistência às hostilidades que os negros sofrem longe de suas terras natais. A oferta parece ser irrecusável, já que novas possibilidades de interpretação do mundo e das identidades e uma cidadania conseguida por esforço próprio podem agora ser conhecidas quando forem abertas as páginas deste livro.
 
Newsletter
Ofertas e promoções exclusivas por e-mail