Annablume Editora
BOX_HEADING_LOGIN_BOX
Seja Bem Vindo(a)!

Faça seu login
Cadastre-se

 
 
 
HomeSite
Busca Rápida
Suas Compras   Meu Carrinho 0 Iten(s):
Fabricantes
Fabricantes
Categorias
Categorias
        -Arquitetura, Urbanismo e Políticas Urbanas
        -Biblioteca Flusseriana
        -Corpo, Sexualidades e Políticas da Multidão
        -Cultura Tecnológica e Redes Digitais
        -Geografia e Temas Socioambientais
        -Sociologia
        -Todas as Coleções
        -Todos os Temas
        Artes
        Outros Temas
        Revistas
Promoção
Especiais mais
Mulheres, direito à cidade e estigmas de gênero: a segregação ur
Mulheres, direito à cidade e estigmas de gênero: a segregação ur
De: R$ 78,00
  Por: R$ 62,40
Economia de R$ 15,60
Veja mais promoções
Novidades
Novidades mais
TRABALHO E AÇÃO COLETIVA NO BRASIL
TRABALHO E AÇÃO COLETIVA NO BRASIL
R$ 80,00
R$ 64,00
Veja mais novidades
Filosofia da educação: mediações possíveis entre tempo e reconhe
Filosofia da educação: mediações possíveis entre tempo e reconhe
Código do Produto: 14x21
De: R$ 54,00
Por: R$ 40,50
Economia de R$ 13,50
 

Filosofia da educação: mediações possíveis entre tempo e reconhecimento social
Rosana Silva de Moura
Formato 14x21 cm, 174 páginas
ISBN 978-85-391-0586-1

Filosofia da educação – mediações possíveis entre tempo e reconhecimento social tem como tarefa pensar possibilidades, bem como limites, da formação da consciência histórica na mediação entre a hermenêutica filosófica de viés gadameriano e o horizonte interpretativo do tempo pensado por Walter Benjamin (o mais híbrido dos pensadores da Teoria crítica), especialmente nas suas Teses sobre a história. Ou seja, mediações que procuram reapresentar o lugar de intérprete de Benjamin na produção do reconhecimento do outro. Trata-se de uma incursão na filosofia desde a situação hermenêutica da autora dada na docência em história, no ensino fundamental, daí o exercício filosófico enraizada na educação. No entanto, como investiga questões concernentes à formação da consciência histórica, o texto inclina-se a pensar o próprio sentido da formação humana. O que significa interpretar o passado? Como o exercício da interpretação mobiliza a formação da consciência histórica no presente de quem interpreta? Qual formação ainda é possível pensar (e fazer) no contemporâneo?
 
Newsletter
Ofertas e promoções exclusivas por e-mail