Annablume Editora
BOX_HEADING_LOGIN_BOX
Seja Bem Vindo(a)!

Faça seu login
Cadastre-se

 
 
 
HomeSite
Busca Rápida
Suas Compras   Meu Carrinho 0 Iten(s):
Fabricantes
Fabricantes
Categorias
Categorias
        -Arquitetura, Urbanismo e Políticas Urbanas
        -Biblioteca Flusseriana
        -Corpo, Sexualidades e Políticas da Multidão
        -Cultura Tecnológica e Redes Digitais
        -Geografia e Temas Socioambientais
        -Sociologia
        -Todas as Coleções
        -Todos os Temas
        Artes
        Outros Temas
        Revistas
Promoção
Especiais mais
A identidade nacional em questão
A identidade nacional em questão
De: R$ 58,00
  Por: R$ 43,50
Economia de R$ 14,50
Veja mais promoções
Novidades
Novidades mais
Danças brasileiras contemporâneas: um caleidoscópio
Danças brasileiras contemporâneas: um caleidoscópio
R$ 79,00
R$ 59,25
Veja mais novidades
Tudo é passageiro: expansão urbana, transporte público....
Tudo é passageiro: expansão urbana, transporte público....
Código do Produto: 16x23cm
De: R$ 57,00
Por: R$ 42,75
Economia de R$ 14,25
 
Indique este produto para um amigo

Tudo é passageiro: expansão urbana, transporte público e o extermínio dos bondes em São Paulo 
Ayrton Camargo e Silva
16X23cm, 166 páginas
Isbn: 978-85-391-0723-0
O livro inicia-se com a apresentação do processo de urbanização da cidade dinamizado a partir do século XIX, sobretudo após a inauguração em 1867 da ferrovia conectando Santos a Jundiaí, relacionando-o com as principais formas de circulação organizada, no período em que antecede a chegada da Light a São Paulo, em 1899.
A inauguração do sistema de bondes elétricos traz uma nova forma de exploração dos serviços públicos, expondo diversas contradições na relação entre o concessionário dos serviços de viação e energia e o poder concedente.
A crise de abastecimento de energia ocorrida na década de 20, em paralelo a um surto de propostas urbanísticas que não consideravam o transporte coletivo o elemento estruturador da mobilidade, antecede o impasse que se desenhava ante o futuro da rede de bondes. As restrições impostas pela seca à circulação dos coletivos elétricos estimulou o surgimento do ônibus como alternativa de circulação, rompendo para sempre o monopólio da Light na operação do transporte na cidade.
Mudanças na política advindas com a Revolução de 30 atrapalharam os planos da Light de expansão da rede de bondes. Por outro lado, a prefeitura chega às mãos de Prestes Maia, um dos maiores críticos do plano de reformulação da rede de transportes e um dos autores do Plano de Avenidas que, sob sua condução, sairia do papel para redirecionar a expansão urbana.
Desestimulada, a Light anuncia seu desejo de entregar o acervo do sistema de bondes. A crise é instaurada, e a prefeitura cria uma comissão para definir soluções. Sob o atento acompanhamento de Prestes Maia, a comissão estrutura as bases do transporte público do município: a concessão caberá a uma empresa pública monopolista, os bondes serão paulatinamente desativados, substituídos preferencialmente pelos trólebus mas, na prática, pelos ônibus.
A década de 50 se inaugura com a cidade vendo concretizadas as bases do Plano de Avenidas, onde pesados investimentos viários consolidavam a circulação sobre pneus. Nele não havia espaço para o transporte público.
Em 1961, Prestes Maia volta à prefeitura e retoma a desativação do sistema de bondes, que terá de seu sucessor - Faria Lima - a pá de cal, com banda de música e foguetórios, deixando aberto o caminho para a grande crise da mobilidade da cidade.
 
Também compraram este produto
Clientes que compraram este produto, também compraram:
     A arqueologia da São Paulo Oitocentista : Paranapiacaba   A arqueologia da São Paulo Oitocentista : Paranapiacaba
     O bonde na cidade   O bonde na cidade
Newsletter
Ofertas e promoções exclusivas por e-mail