Annablume Editora
BOX_HEADING_LOGIN_BOX
Seja Bem Vindo(a)!

Faça seu login
Cadastre-se

 
 
 
HomeSite
Busca Rápida
Suas Compras   Meu Carrinho 0 Iten(s):
Fabricantes
Fabricantes
Categorias
Categorias
        -Arquitetura, Urbanismo e Políticas Urbanas
        -Biblioteca Flusseriana
        -Corpo, Sexualidades e Políticas da Multidão
        -Cultura Tecnológica e Redes Digitais
        -Geografia e Temas Socioambientais
        -Sociologia
        -Todas as Coleções
        -Todos os Temas
        Artes
        Outros Temas
        Revistas
Promoção
Especiais mais
Produzir casas ou construir cidades? Desafios para um novo Brasi
Produzir casas ou construir cidades? Desafios para um novo Brasi
De: R$ 88,00
  Por: R$ 88,00
Economia de R$ 0,00
Veja mais promoções
Novidades
Novidades mais
A linguagem se refletindo: introdução à poética de Mallarmé
A linguagem se refletindo: introdução à poética de Mallarmé
R$ 60,00
R$ 60,00
Veja mais novidades
Operação urbana e lutas sociais : um histórico da propriedade no
Operação urbana e lutas sociais : um histórico da propriedade no
Código do Produto: 16x23cm
De: R$ 70,00
Por: R$ 70,00
Economia de R$ 0,00
 
Acessar Um LivroAcessar O Ateneum

Operação urbana e lutas sociais : um histórico da propriedade no Butantã e da reversão da operação urbana consorciada Vila Sônia
Marcio Rufino Silva
Formato: 16x23 cm, 340 páginas
ISBN: 978-85-391-0823-7

Como foi possível a Operação Urbana Consorciada Vila Sônia? Ou ainda, como nasceu o projeto e sob quais pressupostos teria sido montada essa arquitetura no campo da ação estatista em escala municipal? O instrumento urbanístico “operação urbana”, tal como se apresenta nos dias atuais, é condição e resultado de mais de duas décadas de experiências práticas e certos refinamentos teóricos. No caso da Vila Sônia, um elemento de ordenamento do espaço aproveitando as potencialidades postas pela implantação da Linha 4 Amarela do Metrô e seu correspondente atrativo ao mercado imobiliário na Zona Oeste da Cidade de São Paulo. Mas essa política não seria acordada sem a necessária participação popular e a consideração das experiências anteriores. E foi justamente a ausência da participação popular a motivação central do processo judiciário levantado pelos movimentos de moradores do Butantã e pelo Ministério Público Estadual contra a Prefeitura Municipal de São Paulo, o que resultou no embargo do projeto.
 
Newsletter
Ofertas e promoções exclusivas por e-mail