Annablume Editora
BOX_HEADING_LOGIN_BOX
Seja Bem Vindo(a)!

Faça seu login
Cadastre-se

 
 
 
HomeSite
Busca Rápida
Suas Compras   Meu Carrinho 0 Iten(s):
Fabricantes
Fabricantes
Categorias
Categorias
        -Arquitetura, Urbanismo e Políticas Urbanas
        -Biblioteca Flusseriana
        -Corpo, Sexualidades e Políticas da Multidão
          - Políticas da Multidão
          - Queer
          - Leituras do Corpo
        -Cultura Tecnológica e Redes Digitais
        -Geografia e Temas Socioambientais
        -Sociologia
        -Todas as Coleções
        -Todos os Temas
        Artes
        Outros Temas
        Revistas
Promoção
Especiais mais
Mulheres, tempos e trabalhos
Mulheres, tempos e trabalhos
De: R$ 70,00
  Por: R$ 56,00
Economia de R$ 14,00
Veja mais promoções
Novidades
Novidades mais
Escravidão contemporânea e sociedade nacional: em um estado-naçã
Escravidão contemporânea e sociedade nacional: em um estado-naçã
R$ 51,00
R$ 40,80
Veja mais novidades
Reduzir-se a nada: articulações entre o masoquismo, o feminino e
Reduzir-se a nada: articulações entre o masoquismo, o feminino e
Código do Produto: 16x23 cm
De: R$ 40,00
Por: R$ 32,00
Economia de R$ 8,00
 
Acessar a Cia. dos Livros

Reduzir-se a nada: articulações entre o masoquismo, o feminino e a máscara
Carolina Nassau
Formato: 16x23 cm, 130 páginas
ISBN: 978-85-391-0863-3

“A MULHER NÃO EXISTE”. Máscaras, véus, disfarces, aniquilamento nas tentativas de se localizar na partilha dos sexos, nas tentativas de se fazer reconhecer. São estes mesmos “recursos” frente à falta de representação da mulher, imposta pela lógica fálica, que encontramos na clínica. Recursos engessados, mortíferos que desafiam a escuta e a construção de novas respostas.

Nesta trilha, o livro de Carolina Nassau Ribeiro, leitora rigorosa e atenta, surge como um avanço. Ao localizar “as pedras de espera” do texto freudiano referidas ao enigma do feminino, a autora se apropria dos avanços propostos por Jacques Lacan e nos guia na retomada de três casos da literatura em que se evidenciam posições que superficialmente podem ser descritas como masoquistas.

É, então, a oportunidade de retomar a formulação lógica da tábua da sexuação que aponta para dois modos de gozo – um referido ao falo e, o outro, o gozo do Outro – para esclarecer as posições adotadas pelas personagens, posições que lhes servem por um lado, de “máscara” na vertente do gozo fálico e por outro, da falta de limites de um amor enlouquecido, do lado de S(A), isto é, do gozo do Outro, que se refere ao reduzir-se a nada.

Reduzir-se a nada: articulações entre o masoquismo, o feminino e a máscara se apresenta, assim, como um excelente operador de leitura que ressalta os avanços teóricos que nos devem guiar a praxis.
Lícia Dias
 
Newsletter
Ofertas e promoções exclusivas por e-mail