Annablume Editora
BOX_HEADING_LOGIN_BOX
Seja Bem Vindo(a)!

Faça seu login
Cadastre-se

 
 
 
HomeSite
Busca Rápida
Suas Compras   Meu Carrinho 0 Iten(s):
Fabricantes
Fabricantes
Categorias
Categorias
        -Arquitetura, Urbanismo e Políticas Urbanas
        -Biblioteca Flusseriana
        -Corpo, Sexualidades e Políticas da Multidão
        -Cultura Tecnológica e Redes Digitais
        -Geografia e Temas Socioambientais
        -Sociologia
        -Todas as Coleções
        -Todos os Temas
        Artes
        Outros Temas
        Revistas
Promoção
Especiais mais
Parlamento dos invisíveis
Parlamento dos invisíveis
De: R$ 40,00
  Por: R$ 32,00
Economia de R$ 8,00
Veja mais promoções
Novidades
Novidades mais
A tradição dialética na obra de Hector Benoit: diálogos e testem
A tradição dialética na obra de Hector Benoit: diálogos e testem
R$ 51,00
R$ 40,80
Veja mais novidades
Resistências sagradas: Pátio do Colégio, secularização e reconst
Resistências sagradas: Pátio do Colégio, secularização e reconst
Código do Produto: 16x23 cm
De: R$ 40,00
Por: R$ 32,00
Economia de R$ 8,00
 
Acessar a Cia. dos Livros

Resistências sagradas: Pátio do Colégio, secularização e reconstrução
João Carlos Santos Kuhn
Formato: 16 x 23cm, 146 páginas
ISBN: 978-85-391-0911-1

O livro investiga o processo de destruição e reconstrução do Pátio do Colégio em São Paulo. Foi um impressionante episódio de des-secularização que ocorreu a partir da década de 1930, desafiador da grande narrativa de modernização da cidade que leva em conta sem maiores problematizações que a vocação do território é a passagem progressiva do sagrado ao profano, usando a terminologia proposta por Murillo Marx.

Com efeito, se assumirmos como parâmetro exclusivo de análise o mundo como se
constrói para os segmentos laicos, o repasse do terreno para a Companhia de Jesus em plenas festividades do IV Centenário é incompreensível. Da mesma forma, a reconstrução dos edifícios da Igreja e do Colégio jesuíticos, conforme sua aparência no século XVIII mas com técnicas contemporâneas só pode ser considerado aberração, pastiche, simulacro.

Mas se colocarmos nossas convicções secularizantes em dúvida, emerge um cenário muito diferente, complexo e fascinante.
Do prefácio de Renato Cymbalista

JOÃO CARLOS SANTOS KUHN é mestre e doutorando em História e Fundamentos da Arquitetura e Urbanismo pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo.
 
Newsletter
Ofertas e promoções exclusivas por e-mail