Annablume Editora
BOX_HEADING_LOGIN_BOX
Seja Bem Vindo(a)!

Faça seu login
Cadastre-se

 
 
 
HomeSite
Busca Rápida
Suas Compras   Meu Carrinho 1 Iten(s):
Fabricantes
Fabricantes
Categorias
Categorias
        -Arquitetura, Urbanismo e Políticas Urbanas
        -Biblioteca Flusseriana
        -Corpo, Sexualidades e Políticas da Multidão
        -Cultura Tecnológica e Redes Digitais
        -Geografia e Temas Socioambientais
        -Sociologia
        -Todas as Coleções
        -Todos os Temas
        Artes
        Outros Temas
        Revistas
Promoção
Especiais mais
Produzir casas ou construir cidades? Desafios para um novo Brasi
Produzir casas ou construir cidades? Desafios para um novo Brasi
De: R$ 88,00
  Por: R$ 88,00
Economia de R$ 0,00
Veja mais promoções
Novidades
Novidades mais
Dicionário temático desenvolvimento e questão social: 110 proble
Dicionário temático desenvolvimento e questão social: 110 proble
R$ 130,00
R$ 130,00
Veja mais novidades
Mulheres, direito à cidade e estigmas de gênero: a segregação ur
Mulheres, direito à cidade e estigmas de gênero: a segregação ur
Código do Produto: 16x23 cm
De: R$ 70,00
Por: R$ 70,00
Economia de R$ 0,00
 
Acessar Um LivroAcessar O Ateneum

Mulheres, direito à cidade e estigmas de gênero: a segregação urbana da prostituição em Campinas
Diana Helene
Formato: 16x23 cm, 340 páginas
ISBN: 978-85-391-0957-9

A história e as representações acerca do bairro de prostituição Jardim Itatinga demostram como se organizam diferentes territórios prostitucionais na cidade de Campinas, Estado de São Paulo, Brasil. A “Zona” foi planejada pelo poder público, na década de 1960, e, desde então, tornou-se o lugar da prostituição na cidade. Essa política de segregação resultou na perseguição das prostitutas que, contudo, persistem trabalhando fora dali. Entre suas estratégias de proteção e permanência, a mais expressiva é a fundação da Associação Mulheres Guerreiras, localizada no centro da cidade.

O livro examina, portanto, as tensões, os conflitos, as táticas e as estratégias de um grupo social historicamente estigmatizado e com forte presença em áreas urbanas centrais, face às intervenções do planejamento urbano. Sua circulação nos diferentes locais de prostituição em Campinas, suas estratégias para o estabelecimento de “pontos” de permanência em espaços não planejados oficialmente para sua presença, suas redes e articulações com outros pares “desviantes” e, principalmente, suas táticas de resistência à expulsão e luta por reconhecimento são objetos de atenção. Busca-se compreender como se estrutura, nos espaços físicos e políticos da cidade essa disputa particular – marcada por recortes de classe, de raça e especialmente de gênero – que tem a prostituição como foco de interesse.

Pretende-se, por fim, possibilitar o vislumbramento de uma organização urbana generificada que se justifica em discursos ora sanitários, ora econômicos, ora morais
e cuja história registra a constante tensão entre o planejamento urbano oficial e os
habitantes da cidade, com suas reivindicações pelo direito a nela existirem.

Baseado na tese “‘Preta, pobre e puta’: a segregação urbana da prostituição em Campinas: Jardim Itatinga” (2015, IPPUR-UFRJ), ganhadora do Prêmio Capes de
tese 2016 em planejamento urbano e regional.
 
 
Últimos Produtos Visitados
Diálogos de um rabino : reflexões para um mundo de monólogos
Diálogos de um rabino : reflexões para um mundo de monólogos
Crença, ideologia e representações coletivas
Crença, ideologia e representações coletivas
TRABALHO E AÇÃO COLETIVA NO BRASIL
TRABALHO E AÇÃO COLETIVA NO BRASIL
Carmen Miranda entre os desejos de duas nações : cultura de mass
Carmen Miranda entre os desejos de duas nações : cultura de mass
Mulheres viajantes : sete jornadas insólitas
Mulheres viajantes : sete jornadas insólitas
Os fundamentos da teoria antropológica alemã: etnologia e antrop
Os fundamentos da teoria antropológica alemã: etnologia e antrop
Saul de Vilém Flusser: diálogo e subversão
Saul de Vilém Flusser: diálogo e subversão
Newsletter
Ofertas e promoções exclusivas por e-mail