Annablume Editora
BOX_HEADING_LOGIN_BOX
Seja Bem Vindo(a)!

Faça seu login
Cadastre-se

 
 
 
HomeSite
Busca Rápida
Suas Compras   Meu Carrinho 0 Iten(s):
Fabricantes
Fabricantes
Categorias
Categorias
        -Arquitetura, Urbanismo e Políticas Urbanas
        -Biblioteca Flusseriana
        -Corpo, Sexualidades e Políticas da Multidão
        -Cultura Tecnológica e Redes Digitais
        -Geografia e Temas Socioambientais
        -Sociologia
        -Todas as Coleções
        -Todos os Temas
          - Análise do Discurso e Semiótica
          - Antropologia
          - Arqueologia
          - Arquitetura
          - Artes Clássicas e na Antiguidade
          - Artes Contemporâneas
          - Ciência Política
          - Comunicação
          - Crítica Literária
          - Educação
          - Estudos de Corpo
          - Estudos de Gênero
          - Estudos de Religião
          - Filosofia
          - Filosofia Antiga
          - Geografia
          - História
          - História Antiga
          - Meio Ambiente
          - Psicanálise
          - Quadrinhos
          - Redes Digitais
          - Relações Internacionais
          - Sociologia
          - Sociologia do Trabalho
          - Urbanismo
        Artes
        Outros Temas
        Revistas
Promoção
Especiais mais
Instituições de urbanismo no Brasil, 1930-1979
Instituições de urbanismo no Brasil, 1930-1979
De: R$ 70,00
  Por: R$ 70,00
Economia de R$ 0,00
Veja mais promoções
Novidades
Novidades mais
Configurações do desenvolvimento, trabalho e ação coletiva
Configurações do desenvolvimento, trabalho e ação coletiva
R$ 90,00
R$ 90,00
Veja mais novidades
Princípio e início: a questão da humanidade em Hannah Arendt
Princípio e início: a questão da humanidade em Hannah Arendt
Código do Produto: 16x23 cm
De: R$ 65,00
Por: R$ 65,00
Economia de R$ 0,00
 
Acessar Um LivroAcessar O Ateneum

Princípio e início: a questão da humanidade em Hannah Arendt
Rodrigo Ponce
Formato: 16 x 23 cm, 354 páginas
ISBN: 978-65-5684-019-2

É precisamente nesta conexão entre humanidade e capacidade de começar – ou antes na encruzilhada pós-totalitária que põe em questão este vínculo ontológico – que se situa a reflexão inspiradora e erudita de Rodrigo Ponce neste precioso livro, no qual a própria humanidade é a questão por excelência. O percurso virtuoso definido pelo autor pensa o totalitarismo como índice de uma ruptura que dissolve no racismo a própria noção de uma humanidade comum.
Não obstante, o totalitarismo, como ruptura e demolição, é sempre ainda um desafio para a capacidade humana para o novo, na ação e na compreensão. Não é trivial, portanto, que Arendt conclua o ensaio “Ideologia e terror”, que viria a ser o capítulo final de As origens do totalitarismo, com a indicação, em referência a Agostinho, de que a capacidade de começar “é a suprema capacidade do homem; politicamente, equivale à liberdade do homem”.
Adriano Correia
 
Newsletter
Ofertas e promoções exclusivas por e-mail