Annablume Editora
BOX_HEADING_LOGIN_BOX
Seja Bem Vindo(a)!

Faça seu login
Cadastre-se

 
 
 
HomeSite
Busca Rápida
Suas Compras   Meu Carrinho 0 Iten(s):
Fabricantes
Fabricantes
Categorias
Categorias
        -Arquitetura, Urbanismo e Políticas Urbanas
        -Biblioteca Flusseriana
        -Corpo, Sexualidades e Políticas da Multidão
        -Cultura Tecnológica e Redes Digitais
        -Geografia e Temas Socioambientais
          - Cidadania e Meio Ambiente
          - Geografia e Adjacências
        -Sociologia
        -Todas as Coleções
        -Todos os Temas
        Artes
        Outros Temas
        Revistas
Promoção
Especiais mais
Trabalho e pandemia: informalidade, precarização e suas múltipla
Trabalho e pandemia: informalidade, precarização e suas múltipla
De: R$ 85,00
  Por: R$ 85,00
Economia de R$ 0,00
Veja mais promoções
Novidades
Novidades mais
Gênero Expandido: performances e contrassexualidades - 2ª edição
Gênero Expandido: performances e contrassexualidades - 2ª edição
R$ 65,00
R$ 65,00
Veja mais novidades
Nas fronteiras das minas com o gerais: as terras de uso comum e
Nas fronteiras das minas com o gerais: as terras de uso comum e
Código do Produto: 16x23 cm
De: R$ 85,00
Por: R$ 85,00
Economia de R$ 0,00
 
Acessar Um LivroAcessar O Ateneum

Nas fronteiras das minas com o gerais: as terras de uso comum e o uso coletivo de terras - Volume II
Fernanda Testa Monteiro
Formato: 16x23 cm, 458 páginas
ISBN: 978-65-5684-044-4

Esta obra está organizada em dois volumes e volta-se à análise de transformações territoriais contemporâneas no campo brasileiro. A análise partiu da realidade situada na porção Meridional da Serra do Espinhaço em Minas Gerais, considerando sua formação territorial no contexto de formação do estado e deste em relação ao país. Compreendeu-se tal processo a partir da formação da propriedade privada da terra na gênese territorial do país. Os sujeitos em foco foram “as(os) apanhadoras(es) de flores sempre-vivas”, cuja lógica de reprodução social foi analisada considerando-se as territorialidades, formação das identidades e organização política. Analisou-se como operam formas comunitárias de acesso e uso dos recursos naturais baseadas nos costumes articulados ao modo de vida e conjunturas vividas. No âmbito das lógicas agrárias, revelou-se a ocorrência de terras de uso comum e terras de uso coletivo, que guardam diferenças nas práticas sociais e respectivas visões sociais de mundo. O aprofundamento acerca dos conflitos socioterritoriais desvelou a formação da “fazenda de mineração” na relação com a atividade minerária, contando com mecanismos próprios e vigentes de legitimação com burla da lei. Teve-se também em conta outros confl itos defl agrados por lógicas atuais de cercamentos com papel-chave cumprido pelo Estado, envolvendo compensações ambientais por meio de parques naturais. As “comunidades apanhadoras de flores sempre-vivas”, como parte da totalidade das dinâmicas territoriais atuais, mostram que as lutas pela terra e pelo território são processos distintos que podem ocorrer de forma articulada e solidária, como o fazem por meio de um movimento socioterritorial recente. Realidade, essa, que expressa a unidade na diversidade das lutas e dos contextos atuais no país. Os desafios postos e as perspectivas construídas no chão de mundo demandam a compreensão da geografia dos comuns e dos coletivos.
 
 
Últimos Produtos Visitados
Simbologias de um poder
Simbologias de um poder
Idéias para uma sociologia da questão ambiental no Brasil
Idéias para uma sociologia da questão ambiental no Brasil
Movimento ambientalista e modernidade
Movimento ambientalista e modernidade
Newsletter
Ofertas e promoções exclusivas por e-mail