Annablume Editora
BOX_HEADING_LOGIN_BOX
Seja Bem Vindo(a)!

Faça seu login
Cadastre-se

 
 
 
HomeSite
Busca Rápida
Suas Compras   Meu Carrinho 11 Iten(s):
Fabricantes
Fabricantes
Categorias
Categorias
        -Arquitetura, Urbanismo e Políticas Urbanas
        -Biblioteca Flusseriana
        -Corpo, Sexualidades e Políticas da Multidão
        -Cultura Tecnológica e Redes Digitais
        -Geografia e Temas Socioambientais
        -Sociologia
        -Todas as Coleções
        -Todos os Temas
        Artes
        Outros Temas
        Revistas
Promoção
Especiais mais
Amor em tempos de aplicativo: Masculinidades heterossexuais e a
Amor em tempos de aplicativo: Masculinidades heterossexuais e a
De: R$ 60,00
  Por: R$ 60,00
Economia de R$ 0,00
Veja mais promoções
Novidades
Novidades mais
Amor em tempos de aplicativo: Masculinidades heterossexuais e a
Amor em tempos de aplicativo: Masculinidades heterossexuais e a
R$ 60,00
R$ 60,00
Veja mais novidades
Mesa de Mariana: produção e consumo de alimentos MG 1750/1850
Mesa de Mariana: produção e consumo de alimentos MG 1750/1850
Código do Produto: 11,5x20
De: R$ 41,00
Por: R$ 41,00
Economia de R$ 0,00
 

A mesa de Mariana: produção e consumo de alimentos em Minas Gerais (1750-1850)
Sônia Maria de Magalhães
Formato 11,5x20cm, 160 páginas
ISBN: 85-7419-414-X

Prefácio Renato Pinto Venâncio

O que os mineiros comiam? A partir dessa simples indagação, Sônia Maria de Magalhães escreveu uma minuciosa história das práticas alimentares, estabelecendo com segurança as conexões entre o objeto estudado e as esferas da economia, do social e do cultural. Tal empreendimento rendeu um estudo que não só enriquece a historiografia brasileira, como também sugere novos temas de pesquisas.
A autora mostra a quase ausência de hierarquias alimentares nas Minas Gerais. “Quase”, uma vez que a documentação analisada, referente ao Seminário de Nossa Senhora da Boa Morte de Mariana, sugere que os clérigos – sem dúvida, parcela importante da elite mineira de então – tinham acesso a quantidades maiores de alimentos do que o conjunto da população; diferença que parece ser mais quantitativa do que qualitativa. Dessa forma, na mesa de Mariana, as diferenças entre as classes sociais quase sempre diziam respeito não ao tipo de alimento ou a sua forma de preparação, mas sim à maior ou menor quantidade ingerida.
 
Também compraram este produto
Clientes que compraram este produto, também compraram:
     O mundo das feras: moradores do sertão oeste de MG séc. XVIII   O mundo das feras: moradores do sertão oeste de MG séc. XVIII
     Conflitos do imaginário: crenças afro-brasileiras (SP 1890/1920)   Conflitos do imaginário: crenças afro-brasileiras (SP 1890/1920)
     Casamentos mistos: liberdade e escravidão em SP colonial   Casamentos mistos: liberdade e escravidão em SP colonial
     Códigos e Práticas: processo urbano em Vila Rica 1702/48   Códigos e Práticas: processo urbano em Vila Rica 1702/48
 
Últimos Produtos Visitados
Análise do discurso das biotecnologias
Análise do discurso das biotecnologias
Entre o palco e o porão: Um Copo de Cólera de Raduan Nassar
Entre o palco e o porão: Um Copo de Cólera de Raduan Nassar
Fartura e ventura camponesas: trabalho e migrações Bahia 1950/80
Fartura e ventura camponesas: trabalho e migrações Bahia 1950/80
A invenção da baianidade
A invenção da baianidade
Barbie na educação de meninas: do rosa ao choque
Barbie na educação de meninas: do rosa ao choque
Thomas Mann, o artista mestiço
Thomas Mann, o artista mestiço
Narciso no Império dos Crisântemos
Narciso no Império dos Crisântemos
Filosofia da educação: mediações possíveis entre tempo e reconhe
Filosofia da educação: mediações possíveis entre tempo e reconhe
Nietzsche e os gregos: arte e Mal-estar na cultura
Nietzsche e os gregos: arte e Mal-estar na cultura
Histori(cidade)s: um olhar multidisciplinar
Histori(cidade)s: um olhar multidisciplinar
Newsletter
Ofertas e promoções exclusivas por e-mail