Annablume Editora
BOX_HEADING_LOGIN_BOX
Seja Bem Vindo(a)!

Faça seu login
Cadastre-se

 
 
 
HomeSite
Busca Rápida
Suas Compras   Meu Carrinho 0 Iten(s):
Fabricantes
Fabricantes
Categorias
Categorias
        -Arquitetura, Urbanismo e Políticas Urbanas
        -Biblioteca Flusseriana
        -Corpo, Sexualidades e Políticas da Multidão
        -Cultura Tecnológica e Redes Digitais
        -Geografia e Temas Socioambientais
        -Sociologia
        -Todas as Coleções
        -Todos os Temas
        Artes
        Outros Temas
        Revistas
Promoção
Especiais mais
A práxis contemporânea da arquitetura e do urbanismo no Brasil:
A práxis contemporânea da arquitetura e do urbanismo no Brasil:
De: R$ 58,00
  Por: R$ 46,40
Economia de R$ 11,60
Veja mais promoções
Novidades
Novidades mais
A práxis contemporânea da arquitetura e do urbanismo no Brasil:
A práxis contemporânea da arquitetura e do urbanismo no Brasil:
R$ 58,00
R$ 46,40
Veja mais novidades
Nem do morro nem da cidade: samba e indústria cultural (1920-45)
Nem do morro nem da cidade: samba e indústria cultural (1920-45)
Código do Produto: 14x21
De: R$ 62,00
Por: R$ 46,50
Economia de R$ 15,50
 

Nem do morro, nem da cidade: samba e indústria cultural (1920/45)
José Adriano Fenerick
Formato 14x21cm, 281 páginas
ISBN: 85-7419-520-0

"Leve e densa, oscilando entre a diversão e a tensão - elementos dados pela própria linguagem do samba -, esta análise, que se fez em meio a notas musicais, rimas e refrãos, traduz o embate entre o tradicional e o moderno, entre a "cidade civilizada" da avenida Rio Branco e a "Pequena África" encravada na ondulação dos morros; entre o sambista "bem comportado" e bem trajado a "redimir" o samba e o sambista "marginal", de chinelos e camiseta, imagem da favela, da negritude e da malandragem, síntese de seu "desprestígio".
Numerosas porque necessárias, as aspas são reveladoras de que nos bastidores do samba travava-se uma árdua luta, sem choro nem vela, por reconhecimento social e valorização comercial da música que era entendida como símbolo da brasilidade. Esse processo, de construção ideológica do samba como ritmo nacional, acabaria deixando a praça, o terreiro e os malandros para trás. O samba perdia a humildade, penetrava no Municipal, transpunha as fronteiras nacionais, como lembra a inspirada parceria de Cartola e Carlos Cachaça."

Da apresentação de Esmeralda B. B. de Moura
 
Também compraram este produto
Clientes que compraram este produto, também compraram:
     Da marginalidade ao estrelato: samba e nacionalidade 1917/45   Da marginalidade ao estrelato: samba e nacionalidade 1917/45
     O poder Norte Americano e a América Latina no pós-Guerra Fria   O poder Norte Americano e a América Latina no pós-Guerra Fria
 
Últimos Produtos Visitados
Platão e o orfismo
Platão e o orfismo
Na música: Vilém Flusser
Na música: Vilém Flusser
Afinal, o que é docudrama?
Afinal, o que é docudrama?
Bexiga: um bairro afro-italiano
Bexiga: um bairro afro-italiano
Estudo dialógico-discursivo da canção popular brasileira
Estudo dialógico-discursivo da canção popular brasileira
Mineração na América do Sul : neoextrativismo e lutas territoria
Mineração na América do Sul : neoextrativismo e lutas territoria
Casamento e satisfação conjugal
Casamento e satisfação conjugal
Uma feminista na contramão do colonialismo: Olive Schreiner
Uma feminista na contramão do colonialismo: Olive Schreiner
Prestígio Religioso na Umbanda
Prestígio Religioso na Umbanda
Pede-se abrir os olhos: psicanálise e reflexão estética hoje
Pede-se abrir os olhos: psicanálise e reflexão estética hoje
Newsletter
Ofertas e promoções exclusivas por e-mail