Annablume Editora
BOX_HEADING_LOGIN_BOX
Seja Bem Vindo(a)!

Faça seu login
Cadastre-se

 
 
 
HomeSite
Busca Rápida
Suas Compras   Meu Carrinho 1 Iten(s):
Fabricantes
Fabricantes
Categorias
Categorias
        -Arquitetura, Urbanismo e Políticas Urbanas
        -Biblioteca Flusseriana
        -Corpo, Sexualidades e Políticas da Multidão
        -Cultura Tecnológica e Redes Digitais
        -Geografia e Temas Socioambientais
        -Sociologia
        -Todas as Coleções
        -Todos os Temas
        Artes
        Outros Temas
        Revistas
Promoção
Especiais mais
Religião, diálogo e múltiplas pertenças
Religião, diálogo e múltiplas pertenças
De: R$ 40,00
  Por: R$ 32,00
Economia de R$ 8,00
Veja mais promoções
Novidades
Novidades mais
Saul de Vilém Flusser: diálogo e subversão
Saul de Vilém Flusser: diálogo e subversão
R$ 50,00
R$ 40,00
Veja mais novidades
Os reinos dos cronistas medievais (século XV)
Os reinos dos cronistas medievais (século XV)
Código do Produto: 14x21
De: R$ 41,00
Por: R$ 30,75
Economia de R$ 10,25
 

Os reinos dos cronistas medievais (século XV)
Susani Silveira Lemos França
Formato 14x21 cm, 232 páginas
ISBN 85-7419-667-3

Os três primeiros cronistas-mores portugueses, profissionais da história a serviço da Coroa, mais do que ordenar um conjunto disperso de fontes apenas para sistematizar e preservar o passado, foram antes responsáveis por construí-lo e legitimá-lo. Instalados num posto de prestígio, como era o de cronista e guarda-mor da Torre do Tombo, esses homens encontraram aí as condições e os instrumentos adequados para escrever o passado, fundando-se na tradição historiográfica greco-romana, na tradição historiográfica em romance, em textos de caráter religioso, doutrinário e filosófico e em documentos oficiais. Desse manancial retiram, em linhas gerais, a inspiração conceitual e metodológica do seu fazer histórico, e nesse mesmo manancial e em outras fontes, como a experiência que vivenciam e testemunhos diversos, recolhem os dados que compõem os seus escritos e os fundamentos para interpretar o mundo.
A cronística de Fernão Lopes, Zurara e Rui de Pina rondou os reis e os nobres ou centrou-se neles. No universo desses cronistas, o governante, a governação e as suas estruturas eram, por excelência, a razão de ser da história. Assim, as crônicas procuraram, de um lado, traduzir as aspirações do poder ao qual serviram, de outro, construir a imagem desse poder através da retrospectiva do passado inspirada no presente. Não é, pois, por acaso que esses relatos informam tanto sobre o reinado que retratam quanto sobre a época em que o cronista escreve e sobre as suas expectativas em relação ao futuro.

Sumário sintetizado

O fortalecimento do saber escrito

Os saberes cultivados

Os saberes históricos

Uma história para três tempos

 
 
Últimos Produtos Visitados
Dimensões político institucionais da governança da água
Dimensões político institucionais da governança da água
Religião, diálogo e múltiplas pertenças
Religião, diálogo e múltiplas pertenças
Urbanismo e política no Brasil dos anos 1960
Urbanismo e política no Brasil dos anos 1960
A vida quotidiana na Roma antiga
A vida quotidiana na Roma antiga
A psicanálise em Israel: sobre as origens do movimento freudiano
A psicanálise em Israel: sobre as origens do movimento freudiano
Água e Política
Água e Política
Geografia política da água
Geografia política da água
Newsletter
Ofertas e promoções exclusivas por e-mail