Annablume Editora
BOX_HEADING_LOGIN_BOX
Seja Bem Vindo(a)!

Faça seu login
Cadastre-se

 
 
 
HomeSite
Busca Rápida
Suas Compras   Meu Carrinho 9 Iten(s):
Fabricantes
Fabricantes
Categorias
Categorias
        -Arquitetura, Urbanismo e Políticas Urbanas
        -Biblioteca Flusseriana
        -Corpo, Sexualidades e Políticas da Multidão
        -Cultura Tecnológica e Redes Digitais
        -Geografia e Temas Socioambientais
        -Sociologia
          - -Annablume Literária
          - Crítica Contemporânea
          - Trabalho e Contemporaneidade
        -Todas as Coleções
        -Todos os Temas
        Artes
        Outros Temas
        Revistas
Promoção
Especiais mais
Dicionário temático desenvolvimento e questão social: 110 proble
Dicionário temático desenvolvimento e questão social: 110 proble
De: R$ 130,00
  Por: R$ 130,00
Economia de R$ 0,00
Veja mais promoções
Novidades
Novidades mais
Corpos em obras: um olhar sobre as práticas da cidade
Corpos em obras: um olhar sobre as práticas da cidade
R$ 65,00
R$ 65,00
Veja mais novidades
Sóbrios, firmes e convictos
Sóbrios, firmes e convictos
Código do Produto: 14x21 cm
De: R$ 55,00
Por: R$ 55,00
Economia de R$ 0,00
 
Acessar Um LivroAcessar O Ateneum

Sóbrios, firmes e convictos: uma etnocartografia dos straightedges em São Paulo
João Batista de Menezes Bittencourt  
Formato: 14x21 cm, 292 páginas
ISBN: 978-85-391-0689-9

Olivro que o leitor tem em mãos é uma verdadeira imersão
no universo do grupo straightedges de São Paulo. Trata-se de
uma etnocartografia das práticas adotadas e difundidas por
esses jovens que ganharam destaque no cenário musical punk/hardcore
brasileiro por adotarem um estilo de vida pautado na abstinência de
drogas, lícitas e ilícitas, como também por defenderem uma dieta
vegetariana.
É curioso como esse grupo visto com certo pré-conceito pela sociedade
e por outros grupos de jovens – já que uma evidente rebeldia convive
com elementos arcaicos e conservadores que, aliás, é típico das chamadas
tribos pós modernas como tão bem apontou Maffesoli – ganha
na percepção de João Bittencourt, um colorido diverso. Para tanto a
união de duas tradições metodológicas – a etnografia e a cartografia
– permitiu ao pesquisador uma nova perspectiva, pois se a etnografia
abre a possibilidade de aproximação do grupo estudado para obter uma
melhor compreensão de suas práticas, a cartografia ajuda o pesquisador
a compreender os movimentos do desejo, a apontar linhas de força, as
intensidades e os afetos que compõem as distintas formações subjetivas.
São essas linhas de força (molar, molecular e de fuga) que engendram
cartografias menos ou mais territorializadas – tanto do grupo estudado,
os straitghtedges, como a do próprio pesquisador. Com a utilização desse
método, foi possível obter uma leitura diferenciada do estilo de vida
straitghtedge e das práticas que o compõem, percebendo esse fenômeno
como resultado do embate entre fluxo e representação. Essa junção metodológica
permitiu ainda, ao autor, apreender as mudanças no plano
molecular provenientes dos processos de subjetivação e dessubjetivação.
Vale dizer, não lhe escapou aquilo que está em constante movimento,
o que escapa às representações, o que não se fixa com facilidade.
Amnéris Ângela Maroni
 
 
Últimos Produtos Visitados
Agricultura familiar no Brasil
Agricultura familiar no Brasil
Reinvenções da África na Bahia
Reinvenções da África na Bahia
Modernidade e dominação: Theodor Adorno e a teoria social
Modernidade e dominação: Theodor Adorno e a teoria social
A sociologia de Talcott Parsons
A sociologia de Talcott Parsons
Itinerários de corpos juvenis: o tatame, o jogo e o baile
Itinerários de corpos juvenis: o tatame, o jogo e o baile
Parce(le)iros da Amazônia: fundamentos institucionais de uma eco
Parce(le)iros da Amazônia: fundamentos institucionais de uma eco
A nova sociedade mundial do trabalho: para além de centro e peri
A nova sociedade mundial do trabalho: para além de centro e peri
André Gorz e seus críticos
André Gorz e seus críticos
A descolonialidade da América Latina e a heterotopia de uma comu
A descolonialidade da América Latina e a heterotopia de uma comu
A mobilização do capital social no Brasil
A mobilização do capital social no Brasil
Newsletter
Ofertas e promoções exclusivas por e-mail