Annablume Editora
BOX_HEADING_LOGIN_BOX
Seja Bem Vindo(a)!

Faça seu login
Cadastre-se

 
 
 
HomeSite
Busca Rápida
Suas Compras   Meu Carrinho 0 Iten(s):
Fabricantes
Fabricantes
Categorias
Categorias
        -Arquitetura, Urbanismo e Políticas Urbanas
        -Biblioteca Flusseriana
        -Corpo, Sexualidades e Políticas da Multidão
        -Cultura Tecnológica e Redes Digitais
        -Geografia e Temas Socioambientais
        -Sociologia
        -Todas as Coleções
        -Todos os Temas
        Artes
        Outros Temas
        Revistas
Promoção
Especiais mais
Pela metade: a lei de drogas do Brasil
Pela metade: a lei de drogas do Brasil
De: R$ 70,00
  Por: R$ 70,00
Economia de R$ 0,00
Veja mais promoções
Novidades
Novidades mais
Saul de Vilém Flusser: diálogo e subversão
Saul de Vilém Flusser: diálogo e subversão
R$ 50,00
R$ 50,00
Veja mais novidades
Zôhar II
Zôhar II
Código do Produto:
De: R$ 57,00
Por: R$ 57,00
Economia de R$ 0,00
 
Acessar a Cia. dos Livros

Zôhar II: Porção Semanal de Bereshit.
Rabi Shimon bar Iochai.
Formato 16x23cm, 169 páginas
ISBN: 978-85-391-0623-3

O Zôhar é um trabalho pseudoepigráfico considerado pelos tradicionalistas uma revelação de Deus ao Rabi Shimon bar Iochai e seus discípulos. Escrito parcialmente em aramaico e parcialmente em hebraico como um comentário sobre o Pentateuco, contém um sistema teosófico completo, e aborda assuntos como: a natureza de Deus, cosmogonia, cosmologia, alma, pecado, redenção, bem e mal. O livro apareceu pela primeira vez no século XIII, na Espanha, e foi difundido pelo cabalista Moisés de Leon. Foi ele quem atribuiu o livro em sua posse ao sábio do século I, o Rabi Shimon bar Iochai. No entanto, logo de início esta hipótese foi refutada por algumas pessoas. A difusão do Zôhar entre os judeus se deu de forma rápida e impressionante. Cinquenta anos após o seu surgimento, o texto já era citado por muitos cabalistas, que não podiam crer que um livro desses fosse obra humana, e que certamente se tratava de um livro de inspiração divina e que, portanto, podia ser colocado no mesmo nível da Bíblia. Até mesmo judeus pouco inclinados ao misticismo, filósofos, autoridades rabínicas e juízes preocupados com a letra da lei chegaram a considerar o livro como fonte sagrada e o utilizaram para definir questões normativas da religião.

Da apresentação de Diego Raigorodsky
 
Também compraram este produto
Clientes que compraram este produto, também compraram:
     Zôhar: texto integral   Zôhar: texto integral
     Sêfer Yetsirá   Sêfer Yetsirá
 
Últimos Produtos Visitados
Servos de Deus: monasticismo, poder e ortodoxia em Sto Agostinho
Servos de Deus: monasticismo, poder e ortodoxia em Sto Agostinho
Do Arouche aos jardins: uma gíria da diversidade sexual
Do Arouche aos jardins: uma gíria da diversidade sexual
Revista Archai 11
Revista Archai 11
Pensar entre línguas: teoria da tradução de Vilém Flusser
Pensar entre línguas: teoria da tradução de Vilém Flusser
Abjeção e desejo: uma etnografia travesti, prevenção da AIDS
Abjeção e desejo: uma etnografia travesti, prevenção da AIDS
Pentecostalismo e transformações na sociedade brasileira
Pentecostalismo e transformações na sociedade brasileira
De corpos e travessias: uma antropologia de corpos e afetos
De corpos e travessias: uma antropologia de corpos e afetos
Discursos fora da ordem: sexualidades, saberes e direitos
Discursos fora da ordem: sexualidades, saberes e direitos
Quanto vale a chuva ? : impactos da BR-364 na regionalização da
Quanto vale a chuva ? : impactos da BR-364 na regionalização da
O desejo da nação: masculinidade e branquitude no Brasil do XIX
O desejo da nação: masculinidade e branquitude no Brasil do XIX
Newsletter
Ofertas e promoções exclusivas por e-mail