Annablume Editora
BOX_HEADING_LOGIN_BOX
Seja Bem Vindo(a)!

Faça seu login
Cadastre-se

 
 
 
HomeSite
Busca Rápida
Suas Compras   Meu Carrinho 1 Iten(s):
Fabricantes
Fabricantes
Categorias
Categorias
        -Arquitetura, Urbanismo e Políticas Urbanas
        -Biblioteca Flusseriana
        -Corpo, Sexualidades e Políticas da Multidão
        -Cultura Tecnológica e Redes Digitais
        -Geografia e Temas Socioambientais
        -Sociologia
        -Todas as Coleções
        -Todos os Temas
        Artes
        Outros Temas
        Revistas
Promoção
Especiais mais
Religião, diálogo e múltiplas pertenças
Religião, diálogo e múltiplas pertenças
De: R$ 40,00
  Por: R$ 40,00
Economia de R$ 0,00
Veja mais promoções
Novidades
Novidades mais
Estudos e ações transdisciplinares em Mudança Social e Participa
Estudos e ações transdisciplinares em Mudança Social e Participa
R$ 60,00
R$ 60,00
Veja mais novidades
Mulheres, direito à cidade e estigmas de gênero: a segregação ur
Mulheres, direito à cidade e estigmas de gênero: a segregação ur
Código do Produto: 16x23 cm
De: R$ 78,00
Por: R$ 78,00
Economia de R$ 0,00
 
Acessar a Cia. dos Livros

Mulheres, direito à cidade e estigmas de gênero: a segregação urbana da prostituição em Campinas
Diana Helene
Formato: 16x23 cm, 340 páginas
ISBN: 978-85-391-0957-9

A história e as representações acerca do bairro de prostituição Jardim Itatinga demostram como se organizam diferentes territórios prostitucionais na cidade de Campinas, Estado de São Paulo, Brasil. A “Zona” foi planejada pelo poder público, na década de 1960, e, desde então, tornou-se o lugar da prostituição na cidade. Essa política de segregação resultou na perseguição das prostitutas que, contudo, persistem trabalhando fora dali. Entre suas estratégias de proteção e permanência, a mais expressiva é a fundação da Associação Mulheres Guerreiras, localizada no centro da cidade.

O livro examina, portanto, as tensões, os conflitos, as táticas e as estratégias de um grupo social historicamente estigmatizado e com forte presença em áreas urbanas centrais, face às intervenções do planejamento urbano. Sua circulação nos diferentes locais de prostituição em Campinas, suas estratégias para o estabelecimento de “pontos” de permanência em espaços não planejados oficialmente para sua presença, suas redes e articulações com outros pares “desviantes” e, principalmente, suas táticas de resistência à expulsão e luta por reconhecimento são objetos de atenção. Busca-se compreender como se estrutura, nos espaços físicos e políticos da cidade essa disputa particular – marcada por recortes de classe, de raça e especialmente de gênero – que tem a prostituição como foco de interesse.

Pretende-se, por fim, possibilitar o vislumbramento de uma organização urbana generificada que se justifica em discursos ora sanitários, ora econômicos, ora morais
e cuja história registra a constante tensão entre o planejamento urbano oficial e os
habitantes da cidade, com suas reivindicações pelo direito a nela existirem.

Baseado na tese “‘Preta, pobre e puta’: a segregação urbana da prostituição em Campinas: Jardim Itatinga” (2015, IPPUR-UFRJ), ganhadora do Prêmio Capes de
tese 2016 em planejamento urbano e regional.
 
 
Últimos Produtos Visitados
Festas de rua: um olhar para a cultura italiana em São Paulo
Festas de rua: um olhar para a cultura italiana em São Paulo
Crítica Contemporânea: cultura, trabalho, política e racismo
Crítica Contemporânea: cultura, trabalho, política e racismo
Newsletter
Ofertas e promoções exclusivas por e-mail